10+ Projeto Motor #30: os modelos mais bonitos da Ferrari na F1

5

Em 2017, a Ferrari está completando 70 anos. É certamente uma das empresas mais icônicas da Itália, talvez até do mundo, e das pistas de corridas.

A companhia de Maranello nasceu para correr. E é a única equipe que esteve presente em todos os campeonatos da F1, o que fez com que ela se tornasse quase que um sinônimo da categoria. Neste período, foram mais de 80 modelos diferentes projetados e construídos para a disputa de GPs.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor

Por isso, o Comitê Editorial do Projeto Motor resolveu prestar sua homenagem à marca elegendo os carros mais bonitos produzidos pela escuderia para a categoria. Veja bem, estamos falando de beleza, não de resultados.

Até por ser um julgamento bastante subjetivo, fique à vontade para discordar e colocar suas sugestões. Só para você ter ideia, entre os membros de nossa equipe, surgiram 18 máquinas diferentes para a lista. Destes, separamos através de votação os 10 mais belos e os classificamos em ranking.

Importante ressaltar que alguns carros ficaram de fora por fazerem parte da mesma família de algum outro também destacado na lista, pois seriam muito parecidos, apenas com evoluções, como o caso dos modelos 640, 641, 642 e 643, todos maravilhosos, porém, bastante semelhantes. Assim, abrimos espaço para uma maior variedade de eleitos.

10 – 158 (1964-65)
Projeto: Mauro Forghieri

Este slideshow necessita de JavaScript.

O belo carro que levou John Surtees a um histórico título mundial, também ficou bastante famoso por ter sido pintado pela Ferrari de azul e branco durante os GPs dos EUA e México e inscrito como uma equipe americana “Nart”. De qualquer maneira, o modelo foi vencedor dentro das pistas e deixou sua marca de beleza ao viajar o mundo.

9 – 553 (1953-54)
Projeto: Aurelio Lampredi

Este slideshow necessita de JavaScript.

A 553 foi utilizada por apenas seis GPs, em um momento em que a F1 passou a utilizar carros da F2, como forma de aumentar seus grids. Mike Hawthorn foi responsável pela única vitória do modelo, justamente da última corrida do 553, no GP da Espanha de 54. Com a volta do regulamento F1, ele acabou sendo substituído rapidamente.

8 – F2004 (2004)
Projeto: Rory Byrne e Ross Brawn

Este slideshow necessita de JavaScript.

Um dos carros mais vitoriosos da história da Ferrari, também era um dos mais belos. A F2004 foi o modelo utilizado pela escuderia na dominante temporada de 2004, em que o time venceu 15 das 18 etapas, conquistando o título com Michael Schumacher, o vice com Rubens Barrichello, e a taça de construtores. O modelo nada mais era do que uma evolução da F2002 e F2003-GA, com redesenhos principalmente na parte traseira, incluindo a suspensão.

7 – 126C2 (1982)
Projeto: Harvey Postlethwaite

Este slideshow necessita de JavaScript.

Modelo que tinha tudo para entrar na lista de mais vitoriosos da Ferrari, acabou marcado por um temporada de tragédias para a equipe. Foi neste carro que morreu Gilles Villeneuve e que Didier Pironi sofreu um acidente que acabou com sua carreira. Mesmo com tantos problemas, venceu três provas, em uma temporada em que o time que mais triunfou levou quatro. Era menor do que suas predecessoras, com aerodinâmica bastante evoluída, graças a novos conceitos implementados por Postlethwaite, e foi o primeiro carro da escuderia a contar com um monocoque completo. Além de bonita, era rápida, mas o destino não a deixou ser campeã.

6 – 246 (1958-60)
Projeto: Mauro Forghieri

Este slideshow necessita de JavaScript.

A 246 foi o modelo que levou Mike Hawthorn ao título mundial de 1958. Com linhas fluídas e clássicas, foi o primeiro carro de F1 a utilizar um motor V6. O modelo também foi o último com propulsor dianteiro a vencer uma prova na categoria. No total, foram cinco triunfos.

5 – 312B (1969-71)
Projeto: Mauro Forghieri

Este slideshow necessita de JavaScript.

O 312B foi o primeiro modelo de uma família que a Ferrari utilizaria até o final de 1974. O carro, além de bonito, era competitivo, e chegou a bater de frente com a Lotus no final da década de 60, apesar de não ter conseguido o título. Ele foi a continuação de uma evolução dentro da escuderia, que tinha começado alguns anos antes, na utilização de novos artifícios aerodinâmicos, como asas mais desenvolvidas e um corpo mais em linha com seus novos dispositivos, o que dava uma maior elegância.

4 – 312T (1975-1976)
Projeto: Mauro Forghieri

Este slideshow necessita de JavaScript.

Além de belo, é certamente um dos carros mais icônicos já produzidos pela Ferrari. Deu início à chamada família “T” da escuderia, uma das mais vitoriosas da equipe, que se manteria entre atualizações e novos modelos até 1980, somando três títulos de pilotos. Neste caso específico, a 312T levou Niki Lauda a seu primeiro mundial, em 1975, tirando a equipe de Maranello de uma seca de 11 anos.

3 – 641 (1990)
Projeto: John Barnard (atualizada depois por Steve Nichols)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Principalmente para os brasileiros, esse é o carro sempre lembrado pelo acidente entre Senna e Prost em Suzuka, que deu o título ao brasileiro em 1990. Mas deixando a briga entre as duas lendas das pistas de lado, impossível não admirar a beleza da 641. O modelo foi desenhado por Barnard, mas com sua saída para a Benetton, teve seu desenvolvimento assumido por Nichols, ex-McLaren. Foi uma evolução da 640, porém, bastante refinada na aerodinâmica, com uma distância entreeixos maior. Ela tinha classe, ao mesmo tempo que se impunha visualmente. Conquistou seis vitórias durante a temporada.

2 – F2007 (2007)
Projeto: Aldo Costa e Nikolas Tombazis

Este slideshow necessita de JavaScript.

Responsável pelo último título de pilotos da escuderia, com Kimi Raikkonen, a F2007 é certamente a Ferrari mais bonita dos anos 2000. Com sua pintura vermelho sangue, inclusive na asa dianteira, e bem menos branco do que nos anos anteriores, ela tinha linhas fluidas, em uma fase em que aerodinâmica ainda não estava tão cerceada na F1. Venceu nove das 17 etapas da temporada de 2007.

1 – 412T2 (1995)
Projeto: John Barnard

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nossa campeã passa longe de ser a Ferrari mais vitoriosa da história. Ganhou apenas uma corrida, no famoso triunfo de Alesi em Montreal. Mesmo assim, suas linhas eram belas, com uma frente bastante característica. O “T” em seu nome se deve à caixa de câmbio transversal. Sua pintura com bastante vermelho e detalhes em preto, a deixava ainda mais bonita quando desfilava pelas pistas. Se não era o mais rápido, pelo menos era um dos mais belos carros do grid por um bom tempo.

 

Projeto Motor Entrevista #9: Sérgio Sette Câmara

 Comunicar Erro

Projeto Motor

Automobilismo além da notícia!

  • Pedro Ivo Faro

    Apesar de ter declaradamente asco da Ferrari, é inegável que ela teve carros muito bonitos nessas décadas todas.
    Mas confesso que senti falta de dois dos modelos que acho mais lindos da casa de Maranello, ainda que tenham sido bem pouco competitivos: os F92A e F93A. Os acho quase tão bonitos quanto o 412T2

  • ituano_voador

    Bela lista, essa. E difícil, porque são tantos carros para se escolher apenas 10. Pessoalmente colocaria a 156 Sharknose no lugar da 158; no mais, irretocável.
    Único detalhe é que a 246 não é um projeto de Mauro Forghieri; o Fúria só foi contratado por Enzo Ferrari em 1960. A 246 foi projetada inicialmente por Andrea Fraschetti e Vittorio Jano, e desenvolvida por Carlo Chitti, de quem Forghieri foi assistente a partir de 1960 e, depois de 1962, sucessor.
    Abs. https://uploads.disquscdn.com/images/741c46bfcd38e9002c5027130b1b79869db1fb2de301b3238f9192ba2b39b249.jpg

  • Allan Guimaraes

    Qualquer F1 com bico longo é esteticamente questionável, eis que o motor é central-traseiro. Ok, é pela segurança, mas aí não tem como achar isso bonito. Também os inúmeros penduricalhos só depõem contra os F1 pós anos 90 – idem a ocultação excessiva do piloto. Dito isso, temos:
    1) 126C2 – Herança do mais belo F1 de todos, o Fittipaldi F6A, era limpo, pouquíssimas asas, parte inferior em forma de tunel (efeito solo), asa traseira destacada, bico curto, laterais largas e alongadas em ascendência para trás – em contraste com o castelo, santo antonio aparente, rodas traseiras altas e largas em contraste com as pequenas dianteiras, poderia ficar bastante tempo aqui justificando não só ela como quase todos os F1 com efeito solo (a citada Fittipaldi, mais as Ligier JS11/15/17, Ferrari 126CK, Brabham BT49/50, Lotus 79/80/88, Williams FW07/B, Arrows A2/A3, ATS, Theodore…)
    2) 640 – A primeira versão, com castelo baixo e santo antonio aparente, era excepcional! Lindíssima, parecia ser turbinada (idem às Benetton’s até 1990). Some-se o design garrafa de coca-cola e a limpeza de design e cores…
    3) 312T3 – Não reconheci como Ferrari a primeira vez que vi, em 1982, na capa de um supertrunfo. Mas achei sensacional aquela faixa branca vertical sobre o vermelho combinado com as asas pratas, sem falar no design iconicamente baixo e plano atrás que o motor boxer permitia.
    4) 312T4 – Sem faixa branca, mas com aquele bico dianteiro quase cubista, parecendo aquelas imagens malucas envolvendo escadas e colunas…
    5) 156 – Shark nose, baixa, longa, com aquelas tomadas de ar diferentes de tudo até então… Rápida mas mortal, infelizmente.
    6) 312B2 – A versão de 1971/72 passava a idéia de um bólido muito veloz, como se a velocidade tivesse puxado o resto do bólido para trás… E a barbatana caía muito bem!
    7) 312B3 – A mais elegante, ao meu ver, em vermelho quase monocromático com detalhes brancos, o prequel das 312T.
    8) D50 – Com aqueles tanques laterais, apesar de vir da Lancia, eram os F1 mais belos daquela época! Davam a largura e proporcionalidade que faltava aos demais charutos grotescos.
    9) 312T – Razões já esposadas na 312B3 e 312T3, só que em menor impacto.
    10) F2001 – Tinha boas proporções, apesar dos sempre escrotos apêndices, asa dianteira muito grande, bico alto demais, pneus sulcados, e rodas dianteiras muito largas e grandes. Gosto da versão de luto de Monza.

  • João Vicente Nascimento Lins

    Eu ainda acho que a mais bonita, e até o carro de F1 mais bonito de todos os tempos é a Ferrari que correu a temporada de 1996.