A corrida pelo posto de fornecedora de pneus da F1 a partir de 2020

0

Está aberta a disputa entre as fabricantes de pneus de olho na F1 de 2020. Desta vez, a Pirelli tem concorrência pelo posto de fornecedora, e o Projeto Motor explicou os principais detalhes do andamento desta história.

Mas, se você gostaria de ver mais de duas fornecedoras na F1, o que recriaria a chamada guerra de pneus, o desdobramento dos fatos provavelmente não vai te agradar tanto.

A Fórmula 1 não tem planos para ter mais de uma fabricante de pneus ao mesmo tempo, principalmente por uma questão de custos. Então agora a concorrência é para ver qual será a fornecedora única do próximo ciclo contratual, entre 2020 e 2023.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

A Pirelli, que é fornecedora única da F1 desde 2011, mostrou interesse em continuar na posição. Ela confirmou sua candidatura, só que desta vez ela vai ter uma concorrente que também está interessada.

A FIA não confirmou de forma oficial, mas é amplamente assumido que essa outra candidata é a Hankook. A fabricante sul-coreana atualmente fornece pneus para DTM e F3 Europeia e quer usar a F1 para fazer uma divulgação maior de sua marca.

O processo seletivo já está em sua reta final antes da definição. Então, o Projeto Motor contou no vídeo acima como funciona o processo seletivo e quais são os desafios das fornecedoras – especialmente por parte da Hankook, que, como novata na categoria, teria de lidar com as mudanças importantes já anunciadas para 2020. E a própria empresa sul-coreana tomou iniciativas para se preparar caso vença a concorrência, coma compra de um antigo chassi da F1 e a contratação de um veterano ex-Bridgestone.

Aproveite a deixa para assinar nosso canal no YouTube e acione o sino para receber as notificações. Assim, você fica ligado em todos os nossos vídeos especiais, além de nossas lives.

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.