A história de Louis Chiron: de gigolô a ídolo de Mônaco na F1

2

Não só de sua corrida local vive o automobilismo de Mônaco. O pequeno principado do Sul da França também já teve seu herói, Louis Chiron, um dos grandes pilotos da história, que fez carreira na primeira metade do século XX e no começo do campeonato da F1.

E ao contrário do que se pode imaginar, mesmo tendo nascido em Mônaco, Chiron não era nenhum aristocrata que queimava dinheiro com corrida de carros. Nascido em 3 de agosto de 1899, ele era filho de um gerente de restaurante em Monte Carlo. Na época da I Guerra, ele foi convocado para servir o exército francês e atuou como uma espécie de chofer do Marechal Ferdinand Foch, chefe do front oeste da luta.

Quando retornou da batalha, Chiron tinha por volta de 20 anos e nenhum dinheiro ou profissão. Bonito e charmoso, ele passou a trabalhar a no glamouroso Hotel de Paris, no centro de Mônaco, como um dançarino para mulheres ricas que frequentavam o local e pagavam por seus serviços para passar as noites bailando em sua companhia.

Não existe nenhum relato muito exato se os serviços do monegasco passavam da dança, mas obviamente que humores, boatos e histórias não faltam. Inclusive, muitas fontes da época citam que uma mulher americana que teria se encantando por ele financiou seus primeiros carros de corrida, todos Bugatti. E ela não foi a primeira. Por boa parte de sua carreira, é sabido que muitos dos patrocinadores de Chiron eram mulheres abastadas que queriam “lhe ajudar”.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

Independente de qualquer coisa, Chiron era um bom piloto e logo se destacou nos Grand Prixs. Ele venceu diversas provas importantes na década de 20 por toda a Europa. O sucesso chamou a atenção da Bugatti, que resolveu contratá-lo para sua equipe oficial, em 1929. Isso levou sua carreira a um novo patamar.

Assim, ele passou ao primeiro nível do automobilismo europeu e até na América, onde participou e terminou em uma respeitável sétima posição nas 500 Milhas de Indianápolis. Ele ainda conquistou vitórias importantes como nos GPs da Bélgica, em Spa, da Alemanha, em Nurburgring, da França, em Montlhery, da Espanha, em Lasarte, de Lyon, entre tantos outros.

Louis Chiron e sua Bugatti, em 1931

Na mesma época, ele ainda ajudou na fundação do GP de Mônaco, que teve sua primeira edição em 29. Dois anos depois, em 31, ele venceu a corrida, se mantendo até hoje como o único piloto local a realizar a proeza.

Neste meio tempo, seu hábito de se meter com mulheres casadas, no entanto, gerou alguns problemas em sua carreira. Desde meados da década de 20, um dos principais patrocinadores de Chiron era uma companhia farmacêutica do rico empresário Alfred Hoffman. O monegasco teve um caso de vários anos com a esposa dele, Alice Hoffman-Trobeck, uma linda americana de pai sueco e mãe alemã, que frequentava a alta sociedade da Europa Central, falava muitas línguas, e que tinha acesso, inclusive, a integrantes da Mercedes.

Para driblar o marido, ela se dizia uma entusiasta do automobilismo e viajava pelas corridas para ser cronometrista de Chiron, apesar de a relação deles não parar por aí. Quando Hoffman descobriu o caso, sacou seu patrocínio do monegasco e repassou para René Dreyfus. O que ele não esperava é que Alice então resolveu se divorciar e seguir viajando com Chiron.

Chiron celebra a vitória no GP da França de 1934

Na segunda metade dos anos 30, a Bugatti começou a ficar para trás na briga entre as montadoras e Chiron conseguiu um contratos com outros times importantes como a Ferrari, que na época era uma equipe de fábrica da Alfa Romeo, e depois pela forte Mercedes. Isso lhe deu condições de seguir com bons resultados e sucesso por toda a Europa e se tornando um ídolo na França.

Depois da II Guerra, o monegasco voltou a correr em alto nível no final dos anos 40 e participou da formação do campeonato de F1, a partir de 1950, inclusive correndo na corrida inaugural, em Silverstone. Naquele mesmo ano, ele conquistaria seu melhor resultado na categoria, o terceiro lugar no GP de Mônaco, o que seria por quase 70 anos o único pódio de um monegasco na F1. Ele já tinha 51 anos.

Quatro temporadas depois, ele resolveu se aposentar, apesar de ainda participar, até 58, de algumas provas de forma corriqueira. Ainda no final dos anos 50, o Príncipe Rainier pediu a Chiron para se tornar comissário geral do Rali e do GP de Mônaco, cargo que ele ocupou até sua morte, em 1979.

Após deixar as pistas, Chiron foi comissário do GP e do Rali de Mônaco por quase duas décadas

Em 2016, em homenagem ao feitos do monegasco com seus carros, a Bugatti batizou seu novo supercarro de Chiron, modelo de rua com 1.500 cavalos e que alcança os 420 km/h.


 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.