Afinal, por que um motor de F1 explode quando quebra?

4

É uma imagem bastante corriqueira nas corridas de F1 e de outras categorias: um piloto acelera seu carro em plena reta quando, de repente, há um enorme estrondo, que é sucedido por fumaça e chamas. Um motor estourado que, de maneira dramática, pode fazer evaporar a conquista de uma vitória ou até mesmo da chance de levar o título.

A falha mecânica mais teatral do automobilismo esteve presente em diversos momentos cruciais das disputas da F1. Quem não se lembra do abandono de Lewis Hamilton no GP da Malásia de 2016, quando, ali, deu praticamente adeus à disputa pela taça? Ou de Felipe Massa na Hungria, em 2008, quando perdeu pontos preciosos? Ou de Michael Schumacher no Japão, em 2006, quando parecia colocar uma mão no octacampeonato nas vésperas de sua aposentadoria?

Acompanhe o PROJETO MOTOR na redes sociais: Twitter | Facebook | YouTube

Sim, a imagem da explosão de um motor aparece em várias corridas, em toda parte do mundo, o que torna o lance algo absolutamente corriqueiro. Mas por que isso acontece? Por que uma quebra de motor quase sempre termina em um show pirotécnico?

EXPLICANDO CONCEITOS

Vettel
Corrida de Vettel no Bahrein-2016 virou fumaça antes da largada

Dizer que “um motor explode” é apenas um recurso de linguagem que simplifica uma quebra que virou comum no automobilismo. A rigor, um propulsor não chega a explodir durante uma falha, embora o dano e as chamas em si quase sempre são irreversíveis para a unidade.

Então, o que acontece de fato? Para entendermos, é importante ter em mente o funcionamento básico de um motor a combustão: a mistura de ar e combustível passa pelas válvulas e chega aos cilindros; a combustão pressiona o pistão e movimenta a biela, o que faz o virabrequim girar.

Ricardo Penteado, chefe de operações de pista da Renault na F1, contou ao Projeto Motor que essas peças são as que mais tendem a apresentar problemas. “Quando o motor quebra, com certeza são peças móveis. É difícil ter uma quebra em algo que não se mexe – até acontece de ter fissuras quando a peça é muito solicitada, quando os pilotos pulam a zebra ou coisas assim. Mas, normalmente, quando a gente vê fogo é porque alguma coisa aconteceu na câmara de combustão”, explica.

Existem algumas quebras que são mais convencionais. “O fogo pode acontecer, por exemplo, ao quebrar uma válvula. Quando é assim, isso fura o pistão, o óleo do carro sai pelo escapamento e pega fogo, ou acontece de quebrar a válvula e o pistão a enfia no cabeçote e a água que tem por lá entra no pistão e sai no escapamento como uma fumaça branca”, detalha o engenheiro.

Maldonado

É por isso que há quebras com aspectos visuais diferentes. “Se for fumaça muito branca, é água, se for algo mais denso, é óleo. Quando é água, tem muita fumaceira na imagem, mas não é fogo”, continua Penteado.

Em resumo: caso uma das peças móveis quebre, o virabrequim continuaria girando e empurraria o item danificado a outras áreas de motor, o que poderia atingir partes com óleo (o que produziria a fumaça negra) ou água (o que faria a dissipação de vapor).

OUTRAS POSSIBILIDADES

O cenário descrito acima é um dos mais convencionais para uma quebra de motor. No entanto, há outras ocasiões que podem terminar com um carro de corridas em chamas.

Um desses casos é um acidente, o que pode causar um incêndio dependendo do ponto de impacto. “Se o lado da batida for o que tiver o radiador de óleo, isso pode afetar o circuito de óleo e pegar fogo. Se for no lado que tiver água, aí não tem problema nenhum”, explica Penteado.

Além disso, também há casos em que o fogo aparece de maneira um pouco mais espontânea, dependendo da especificidade do projeto. Foi o que aconteceu com Nick Heidfeld no GP da Hungria de 2011, a bordo do Renault R31.

“Estávamos com a estratégia de gás de escapamento muito agressiva e, no pitstop, para não soltá-lo em uma condição insegura, pedimos para ele ficar em primeira marcha, segurando. Ele ficou no cortador de giro por muito tempo. Isso esquentou o escapamento e pegou fogo no carro inteiro”, lembra.

COMO LIMITAR OS DANOS?

Quando um carro é tomado por chamas, como vimos no vídeo acima, as consequências podem ser catastróficas. Poucos segundos podem destruir, de forma irreversível, peças importantes – algo que ganha ainda mais gravidade nos tempos de hoje, com limitação de componentes do motor a serem usados ao longo de uma temporada.

Contudo, quando o fogo aparece, há poucas formas de minimizar os danos. “Não fazemos nada para tentar salvar o carro se ele pegar fogo. É mais uma coincidência, também com o fato de o conjunto ser tão compacto. Por exemplo, o sistema que falhou queima no início, mas, depois, quando não tem mais nada para queimar em volta, ele apaga caso não tenha combustível ou óleo nessa área. Isso acaba ‘estufando’ o fogo. Mas não tem concepção nenhuma na parte do design para tentar salvar”, completa Penteado.

Então agora você já sabe: sempre que a corrida de seu piloto favorito acabar em chamas, a explicação vai além de uma simples explosão.

Confira outros artigos especiais sobre os motores da F1:

Orquestra escondida: a complexa arte de gerenciar um motor da F1 moderna
2000 cv? Motor da F1 poderia empurrar mais forte com filosofia diferente
Do álcool ao turbo, conheça todos os regulamentos de motor da história da F1

Debate Motor #68: A F1 está condenada a uma era sem ultrapassagens?

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.

  • Virgil Luisenbarn

    Jóia.

  • ituano_voador

    Às vezes a explosão é explosão mesmo… rsrsrs… esse relato do Mika Hakkinen sobre o teste que fez em Silverstone com o McLaren-Lamborghini, na revista F1 Racing, é muito interessante:
    “I remember that test very clearly – it was a very exciting time. The Ford engine was a good package but we had very high expectations of the Lamborghini V12 and we were right to – when you put your foot down, you would really go. There were a couple of problems, for sure. It was very long, for a start, and that didn’t help the chassis. The fuel consumption was higher, it was a bit too heavy and it needed more cooling.
    But it was a very exciting engine. It was amazing, the power kept on coming, we were really flying.
    But on the Hangar Straight going towards Stowe, it exploded…I mean, really exploded! It was massive, maybe the biggest engine blow-up I ever had. It was shocking, actually. Engine bits and pistons were flying past me, left, right, everywhere. I could see them coming past my helmet. It was such a big bang, it blew a hole in the floor.
    Still, it was one of the most special moments in my F1 career. And what an incredible sound…”

  • Paulo Fernando Oderdenge

    Bahrein-2016 neh?