Bate-Pronto #6: vitória de Vettel no GP de Mônaco e Sato na Indy 500

4

O “Bate-Pronto #6” tem formato um pouco diferentes do normal. Afinal, não é um final de semana como qualquer outro para os fãs do automobilismo, mas o domingo das duas principais corridas de fórmula do mundo: GP do Mônaco e as 500 Milhas de Indianápolis.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor

Na F1 já sabemos: Sebastian Vettel conquistou a primeira vitória da Ferrari nas ruas de Monte Carlo desde 2001. A equipe do Projeto Motor irá falar sobre o triunfo do tetracampeão, a estratégia que o levou ao lugar mais alto do pódio e como fica o campeonato, com o alemão abrindo 25 pontos de vantagem para Lewis Hamilton, segundo.

Na Indy, claro, o triunfo de Takuma Sato, o primeiro japonês a vencer a lendária corrida, e a bela atuação de Fernado Alonso, que terminou com um motor quebrado já na parte final.

Deixe sua opinião na caixa de comentários e não esqueça de se inscrever no canal no Youtube do Projeto Motor e deixar as notificações acionadas para receber um alerta sempre que uma transmissão ao vivo ou vídeo forem adicionadas.

 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.

  • Virgil Luisenbarn

    Foi uma puta corrida a da Indy 500, teve até Holy Wars do Megadeth naquele momento em que os carros pararam nos boxes por causa do acidente do Dixon

  • Dox

    Acho que estes domingos destas 2 corridas têm sido supervalorizados ao longo dos anos.
    São 2 corridas que não podemos considerar como automobilismo puro.
    Monaco praticamente se decide no sábado, pior do que as atuais restantes corridas de F1, que são decididas no DRS ou estratégia.
    Kimi perdeu porque é pior que Vettel, se é que tenha alguem melhor.
    Tanto faria se parasse antes ou depois … seria ultrapassado nos pits, ou melhor, nas voltas em que ambos estivessem soltos.
    Já na Indy é o contrário: tanto faz a classificação e quem é pole, como na Nascar (ironicamente é dado pontos para quem conquista isso aí).
    É um evento de várias mini-corridas até se completar 500 milhas, separadas por momentos de descanso para uns que estão pilotando, ou de frustração para outros que perderam seus carros.
    Reune quem não foi campeão em muita coisa, e que proporciona uma disputa final entre um cara de 40 e outro de 42 anos de idade, não que isso seja demérito, mas que teoricamente estariam fazendo hora-extra em categorias mais exigentes.
    Tem um carro projetado com proteções para evitar que o de trás seja catapultado ao encostar na traseira … entendeu, Dixon?
    Para se ter uma idéia da encheção de saco que fazem com as bandeiras amarelas, aquela última com vários carros foi resolvida mais rapidamente do que a da asinha na pista ou do Alonso encostando o carro longe de tudo.
    E falando em Alonso, que é o atual melhor piloto do mundo na internet (menos na pista) foi literalmente ofuscado por James Davison.
    Quem?
    James Davison, que pegou o pior carro da pior equipe da categoria, que era para ser do Bourdais, não treinou esse mês todo de “preparação” para a prova, não fez tomada de tempo, largou em último e, antes do abandono do Alonso, estava disputando a liderança da corrida, beeeeem à frente do espanhol.
    Graças a essa inútil bandeira amarela, o rapaz entrou nos pits, como todos, foi atendido por sua “excelente” equipe, que o devolveu umas 6 posições atrás da que estava.
    Na relargada, o espanhol Serviá, que nem lembrava mais dele, tantos os feitos no automobilismo, deu-lhe um toque mortal, e ambos provocaram um “quase big-one”.
    Ao final eis que surge do nada nosso super-herói, Sato-San, para quem torci, que adicionou mais um capítulo na folclórica história dessa centenária prova.

  • Victor Zero

    O que podemos tirar das 500 Milhas de Indianápolis 2017:
    1 – PARABÉNS TAKUMA SATO!!! Você é o maior piloto Japonês da história!!!
    2 – A Andretti pode não estar na melhor fase, mas as quatro curvas de Indianápolis são um campeonato a parte. Não fosse as quebras poderia ter ido ainda melhor.
    3 – Até na Indy o motor do Alonso quebra. Brincadeiras a parte, acho que o Alonso vai pra Indy em 2018. Ah! Você está de parabéns Alonso!!
    4 – Quase Hélio! Foco no campeonato que um dos melhores carros pro restante do ano é o seu! Você tá também de parabéns por essa corrida de hoje!
    5 – Ainda bem que a segurança melhorou nos carros da Indy. Poderíamos ter perdido o Dixon e o Bourdais nesta corrida.

  • Victor Zero

    O que podemos tirar do GP de Mônaco da F1:
    1 – Raikkonen vai se aposentar no final do ano. (Ferrari foi coerente)
    2 – A corrida em si, foi uma das piores que eu já vi. Não me recordo de ter visto ultrapassagens.
    3 – Foi incrível (por mais normal que isso possa ser) os abandonos do Vandoorne e do Ericsson.
    4 – Alonso já acertou ter escolhido as 500 milhas ao invés de Mônaco.
    5 – A turma que largou atrás e chegou no Top 10 chegou na base da cautela (e experiência).