Como a Brawn GP chocou o mundo em 2009 | F1 em 5 minutos

2

Há 10 anos, uma equipe ressurgiu das cinzas aos 45 minutos do segundo tempo, esmagou a F1, conquistou títulos de pilotos e construtores, mas saiu de cena apenas oito meses depois. Maluco, não? Pois essa é a história da Brawn GP.

Contamos a história relâmpago do time em mais uma edição da série de vídeos F1 em 5 minutos. A equipe, chefiada por Ross Brawn e com Nick Fry como seu braço direito, sequer sabia se conseguiria alinhar no grid na temporada de 2009. A Honda, que detinha todas as operações, decidiu deixar a categoria de uma hora para a outra, quando ela já havia iniciado seus preparativos em pista para a nova temporada.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

Então, Brawn e Fry correram atrás de possíveis compradores, mas acabaram eles mesmos assumindo as rédeas. Mas, quando foi à pista, todos ficaram boquiabertos: seus pilotos, Jenson Button e Rubens Barrichello, comandaram com folga os testes de pré-temporada.

Blefe para atrair patrocinadores? Não. Na verdade, a equipe tinha um conjunto bastante sólido, e a cereja do bolo se chamava “difusor duplo”. A brecha no regulamento, ironicamente encontrada por um engenheiro da Honda, deu o que falar no começo de 2009, já que a concorrência tinha certeza de que se tratava de algo ilegal. Mas não foi essa a visão da FIA, que deu luz verde para o uso da solução.

A Brawn GP, então, foi o grande assunto da F1 de 2009. Mas ela deixou a F1 com a mesma velocidade com que entrou: em novembro, a Mercedes anunciou a compra da equipe.

Assine o canal do Projeto Motor no YouTube e acione o sino para receber nossas notificações. Assim, você será informado de todos os vídeos especiais, lives e entrevistas de nosso canal! 


 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.