Conheça de perto o carro da Stock Car com ajuda de Max Wilson

0

O Projeto Motor resolveu conversar com o campeão de 2010 da Stock Car, Max Wilson, para explicar melhor como é o carro da categoria e quais são suas principais características na pista.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

O campeonato já passou por várias fases, com o início correndo com os nostálgicos e marcantes Opalas, depois passando também pelo Omega, ambos os momentos com versões adaptadas dos modelos de ruas para as corridas.

Desde o início dos anos 2000, porém, a Stock Car passou a utilizar um chassi tubular produzido especificamente para as corridas, até que em 2008 deu seu grande passo, quando adotou o seu atual modelo, o G09, que é um protótipo desenvolvido especialmente para as pistas.

Desde então, o carro da Stock Car, projetado e produzido pela empresa brasileira JL, passou por diversas evoluções, tanto no sentido de desempenho, com a adoção do câmbio com paddles atrás do volante, como segurança, com novos bancos, materiais na fabricação interna e uso de tanques de combustível em fibra de carbono e kevlar.

“Apesar de ser pesado e tudo, é um carro da Stock Car é rápido de curvas, principalmente por ser um protótipo e não um carro de corrida em cima de um de rua, então, ele tem uma distribuição de peso muito favorável, tem o centro de gravidade muito baixo também. Então, é um carro que o piloto tem que aproveitar essa performance em curva e tem que carregar bastante velocidade nas curvas”, explica Wilson.

Confira o vídeo no alto desta nota, produzido pela equipe do Projeto Motor, para conferir a entrevista completa com o piloto e entender um pouco mais sobre o funcionamento do carro da Stock Car. No final, ainda tem uma voltinha do jornalista como passageiro de Daniel Serra.

 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.