Conversamos com o argentino que será companheiro de Barrichello na Stock Car

0

Matías Rossi é tricampeão da TC 2000 e levantou a taça da Super TC 2000, evolução do campeonato argentino de turismo, em 2013, onde é também o atual o vice-campeão. Em 2020, o argentino terá um novo desafio na carreira: a Stock Car no Brasil.

Piloto oficial da Toyota na Argentina, Rossi terá a chance no campeonato brasileiro por conta da chegada da montadora japonesa à Stock Car. Na estratégia da empresa para o mercado sul-americano está a ideia de promover intercâmbio de pilotos argentinos e brasileiros, inclusive com mais nomes da Corrida de Duplas e nos 200 Km de Buenos Aires.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

No caso de Rossi, ele irá participar da temporada completa pela Full Time, mesmo time de Rubens Barrichello e Nelsinho Piquet, e que será uma das representantes da Toyota na Stock Car.

“É um sonho. A possibilidade de estar competindo no Brasil é única. Graças à Toyota, que sou piloto oficial a Argentina. Agora a Toyota desembarca no automobilismo brasileiro na equipe Full Time, e me abriu a porta. E contar com companheiros de equipe como Rubinho e Nelsinho e mais algum que entre, estou contente. Espero ter um bom ano, pois sei que estou em uma grande equipe, então espero me adaptar rápido e poder andar bem”, explicou o argentino em entrevista ao Projeto Motor durante os treinos para as 500 Milhas de kart da Granja Viana.

Rossi admitiu que passou a se informar mais sobre a Stock Car desde que surgiu a chance de correr no Brasil, principalmente por outros pilotos argentinos que passaram por aqui nos últimos anos.

“O que conheço da Stock Car é o que alguns pilotos argentinos que correram a temporada completa e algumas provas como convidados. Tenho boas referências da categoria. E me motiva vir pelos pilotos, equipes e os carros são muito rápidos”, disse.

A Argentina é conhecida por ter um automobilismo interno muito forte, mesmo que isso tenha segurado um pouco a saída de talentos para campeonatos internacionais. Rossi afirmou que pelo que já conheceu da Stock Car, ele pode afirmar que tanto a categoria brasileira quanto a principal de seu país, a Super TC 2000, podem se colocar entre as melhores do mundo.

“Os dois países, tanto Argentina quanto Brasil, têm um nível de automobilismo de turismo entre os melhores do mundo. Parece-me que temos engenheiros muito bons, carros muito rápidos e pilotos excelentes nos dois países. Nesta minha primeira visita ao Brasil, na equipe Full Time, desfrutei e conheci uma equipe muito organizada e profissional com o único objetivo de andar bem e ganhar. Esse é meu objetivo também”, disse.

Kart de pilotos argentinos nas 500 Milhas da Granja Viana
Kart “argentino” nas 500 Milhas de kart da Granja Viana (Foto: Fabricio Vasconcelos/RF1)

Neste final de semana, Matías Rossi corre nas 500 Milhas de kart da Granja Viana ao lado dos compatriotas Franco Vivian e Rafael Morgenstern, ambos também da Super TC e TC 2000, no kart #213 da equipe Spirit Sports. Se quiser procurá-los na pista será fácil, já que o kart está pintado com a bandeira da Argentina.

Confira a entrevista completa no vídeo acima ou diretamente no nosso Instagram.


 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.