Debate Motor #80: A parceria entre McLaren e Honda ainda tem salvação?

2

Dois anos e meio se passaram desde a retomada da parceria entre McLaren e Honda na F1. Desde então, o que se vê é um acúmulo de dificuldades, vexames e críticas públicas de toda parte, já que o time ainda não chegou ao nível que se esperava.

Acompanhe o PROJETO MOTOR na redes sociais: Twitter | Facebook | YouTube

Em 2017, a situação parece ter chegado a um ponto crítico. Sem marcar um único ponto nas primeiras sete corridas da temporada (é a única equipe que ainda está zerada), a McLaren já dá sinais de perda de paciência e indica que existe a possibilidade real de um rompimento para 2018.

A parceria McLaren-Honda já está em seu limite? O que poderá acontecer no futuro, tanto para o time inglês quanto para a fabricante japonesa?

Este é o tema do Debate Motor #80. Assista e deixe sua opinião, pergunta ou sugestão para os próximos programas!

 Comunicar Erro

Projeto Motor

Automobilismo além da notícia!

  • Bravo Rezende

    Julgo que a Honda deva seguir para a Sauber e tentar o desenvolvimento pragmático e com menor pressão. Esta, na verdade, deveria ter sido sua escolha desde o início… equipe “pequena”. E que a Mclaren ajoelhe no milho e tente um motor com outras fabricantes – o que a RedBull já provou no passado recente ser bem menos simples do que o esperado. No mais, que Alonso se aposente ou que vá correr com outros “EX de tudo” na Indy.

  • Guilherme Broietti

    Hoje vivemos um contraste na F1, ser uma equipe de fábrica não garante a vitória, a McLAREN é o grande exemplo do momento, mas para não ficar solitária a Renault é outra. Assim o que seria melhor: Ser uma equipe de fábrica e correr o risco de não tem um carro competitivo, mas ter uma montadora impulsionando sua equipe e seu orçamento? Ou optar por ser uma equipe cliente, que compra os motores de outra fabricante e precisa se sustentar com as próprias pernas, buscando bons patrocínios para manter-se competitiva? (Red Bull e Force India são os grandes exemplos do momento).
    Grande abraço!