Di Grassi causa polêmica na Stock e reclama de punição: “Grotesca”

2

Ricardo Maurício venceu a Corrida do Milhão da Stock Car deste domingo (25), em Interlagos, em prova que contou com um lance polêmico envolvendo o convidado especial da equipe RC, Lucas Di Grassi.

O piloto da Fórmula E recebeu uma punição de drive through por uma ultrapassagem na briga pela liderança sobre Maurício na 20ª volta considerada irregular pelos comissários. Di Grassi resolveu não cumprir a punição, cruzou a linha de chegada na frente, mas acabou desclassificado. Após a prova, em conversa com o Projeto Motor, Di Grassi reclamou da decisão dos comissários.

“A situação com o Ricardo foi um erro grotesco da CBA, dos comissários, porque naquela situação passar com as quatro rodas por fora da pista era minha única opção. E se eles realmente entraram em investigação e se acharam que eu tinha ganhado vantagem, o certo era comunicar a equipe para eu devolver a posição. Não existe dar um drive through direto”, reclamou.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

“Agora, acabar com a credibilidade da Stock Car, do evento, criar controvérsia por causa de uma ultrapassagem, diga-se bonita, pela disputa do Milhão, eu acho um absurdo completo. Estou muito frustrado. Não é a primeira vez”, continuou.

Di Grassi também apontou um erro de comunicação da equipe Eurofarma RC, que em sua análise deveria ter informado a ele a possibilidade de uma punição para ele tentar evitar a chamada dos comissários devolvendo a posição a Maurício.

“A comunicação da equipe para mim dentro do carro foi ‘nada, nada, nada, drive through’. Se falam ‘olha tem uma investigação’, ‘devolve a posição’ ou aparece algo oficial para devolver a posição, eu teria feito numa boa. Mas não direto para o drive through, isso eu nunca vi na história do automobilismo”, reclamou.

A reportagem do Projeto Motor ainda perguntou se ele pensou antes da punição em devolver a ultrapassagem, mas Di Grassi afirmou que não teve essa ideia porque em nenhum momento acreditou que tinha ganhado vantagem. Sobre não cumprir a o drive through, ele afirmou que como não está brigando pelo campeonato, ser desclassificado não mudava nada para ele.

“Não estou participando do campeonato, faltavam duas voltas. A decisão foi minha, a equipe mandou eu cumprir e eu resolvi não cumprir como forma de protesto.”

Na visão do vencedor da corrida, Ricardo Maurício, também piloto da equipe RC, a manobra de Di Grassi foi uma infração da regra de limites de pista e por isso ele viu com normalidade a punição.

“Ele tinha espaço suficiente para me ultrapassar na reta e estava com botão de ultrapassagem. Quando ele efetuou a ultrapassagem, eu sabia que ele tinha seis botões ainda e eu só três. Eu dei espaço suficiente para ele, mas não sei por que teve uma hora que ele puxou tanto para a esquerda que eu achei que ele ia entrar no box. Não tinha entendido. E depois ele cruzou. Os comissários colocaram o regulamento em prática e é isso”, declarou Maurício na coletiva de imprensa depois da corrida.

Ricardo Maurício celebra vitória na Corrida do Milhão de 2019 (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Gabriel Casagrande, da equipe Crown Racing, e Daniel Serra, da Eurofarma RC, completaram o pódio da Corrida do Milhão. Com o resulado, Serra e Maurício se isolaram nas duas primeiras posições do campeonato, com 212 e 205 pontos, respectivamente. Thiago Camilo, da Ipiranga Racing, é o terceiro, com 185, faltando ainda mais cinco rodadas duplas para o final do campeonato.


 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.