Diário dos testes da F1 #4: entendendo os pneus Pirelli, Hulkenberg se destaca

4

(De Barcelona)As equipes vão colocando as mangas de fora com o passar das atividades de pré-temporada da F1 em 2019. No dia que encerrou a primeira semana de ação em Barcelona, alguns pilotos desbravaram o limite de seus novos carros e registraram tempos mais fortes, especialmente ao usar a borracha mais macia da Pirelli.

O líder da sessão foi Nico Hulkenberg, que testou pela Renault no turno da tarde. O alemão usou o pneu C5, o mais veloz, para registrar 1min17s393, mais de 0s2 à frente de Alexander Albon, da Toro Rosso, que usou o mesmo composto em sua melhor passagem.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

As equipes protagonistas das últimas temporadas ficaram emparelhadas na tabela, embora tenham realizado programas levemente distintos. A Mercedes, que até então vinha se concentrando em cronogramas mais discretos, explorou mais o limite e colocou Valtteri Bottas em quarto (pela tarde, com 1min17s857) e Lewis Hamilton em quinto (pela manhã, com 1min17s977).

Charles Leclerc, da Ferrari, fechou logo atrás ao registrar 1min18s046, o melhor tempo da equipe italiana até então. Porém, houve uma diferença entre os pneus usados nas voltas: Bottas adotou o C5, enquanto que Hamilton foi de C4 e Leclerc de C3.

Ainda não entendeu nada essa nomenclatura de pneus dos testes? Fique calmo. A Pirelli aproveitou o dia para divulgar os resultados das análises que realizou durante a semana em Barcelona, o que estipula uma diferença básica de rendimento entre cada composto.

O pneu C1, o mais duro, é de 0s8 a 1s mais lento que o C2. Este, por sua vez, perde em 0s7 para o C3. Já a diferença do C3 para o C4 e do C4 para o C5 é a mesma: 0s6.

Porém, o diretor esportivo da Pirelli, Mario Isola, alertou que ainda não dá para traçar um cenário definitivo, já que novas informações serão coletadas durante a próxima semana. Mais: segundo o dirigente, o pneu C5, apesar de mais rápido, não é o mais adequado para uma volta lançada em Barcelona, o que pode trazer dificuldades para os pilotos explorarem o limite. “O circuito é mais agressivo e o asfalto é mais áspero do que há um ano”, explicou.

Mesmo assim, mais uma vez a Ferrari se destacou no último trecho da pista, composto por curvas mais lentas. A melhor volta de Leclerc teve 26s695 no setor, superado apenas pelos 26s506 de Hulkenberg e pelos pilotos da Mercedes (que também viraram na casa de 26s6). No entanto, todos usavam pneus mais duros que o monegasco.

***

Ao fim da primeira semana de atividades, já houve tempo suficiente para que se iniciassem as conversas sobre quem largou em vantagem em 2019. A Ferrari, que se mostrou consistente nos quatro dias de atividades e liderou a tabela de tempos em dois, foi a eleita por suas principais rivais.

Mercedes e Red Bull apontaram que a Ferrari acertou em cheio com o conceito de sua asa dianteira. Valtteri Bottas considera que a equipe de Maranello de fato tem o conjunto a ser batido.

“Eles parecem muito fortes, não importa qual a quantidade de combustível ou o modo de motor que eles estão usando. Tentamos fazer todas as correções, mas eles estão rápidos de qualquer forma, em trechos mais curtos ou mais longos”, disse o piloto da Mercedes.

“Acho que sentimos neste momento que eles estarão um pouco à frente, mas, obviamente, é impossível fazer cálculos muito detalhados. Mas ainda está muito cedo.”

Charles Leclerc, porém, fez o que já era esperado e rejeitou qualquer favoritismo a esta altura. “A performance não tem muito sentido agora, porque são testes. Eles não estão forçando o ritmo, nem a gente”, rebateu.

“Não sabemos o quanto os outros estão escondendo o jogo. Então, veremos na primeira corrida. O mais importante para este teste é completar a programação do dia e é isto que estamos fazendo, então estamos felizes.”

 ***

A progressão dos tempos obtidos em Barcelona mostra que as equipes vão pouco a pouco liberando mais performance de seus carros. Mas Daniel Ricciardo afirmou que ainda há uma margem de ganho pela frente, mesmo que ela já não seja tão grande assim.

Ainda há mais para tirar, mas não sei se há um 1s ou não. Temos o DRS funcionando e coisas do tipo [N. do R.: a Renault não usou o DRS em momentos anteriores após o próprio Ricciardo ter problemas com a peça]. Estamos tentando andar o melhor que podemos com aquilo que temos no momento”, comentou o piloto.

Ricciardo fechou o dia em terceiro, andando também com os pneus C5.

***

Depois de um dia praticamente de shakedown na quarta-feira, a Williams realizou suas primeiras atividades de fato em Barcelona. Robert Kubica e George Russell se dividiram nas ações, o que serviu para que a equipe adquirisse seus primeiros dados concretos do novo carro.

Kubica foi o responsável por andar pela manhã, enquanto que o inglês atuou à tarde. Por se tratar de uma atividade ainda bastante prematura, a Williams realizou um trabalho básico de aerodinâmica para avaliar as peças que chegaram ao carro na última madrugada. Ainda houve um contratempo que custou parte do tempo de pista à tarde, mas enfim as primeiras atividades foram concluídas.

(Bruno Ferreira/Projeto Motor)

“Foi um pouco tarde, mas é melhor agora do que nunca. Hoje foi um dia misto entre a checagem de sistemas e a tentativa de obter dados do novo carro. Não parece que é o quarto dia de ação, e sim o primeiro. Tive a oportunidade de anotar 12 voltas para sentir o carro, o que, claro, limite. Pelo menos todas as coisas foram concluídas – nem todas, já que não foi uma manhã fácil”, disse Kubica. Agora, a equipe continuará com o básico na próxima semana.

***

A primeira semana de atividades da F1 em 2019 evidencia o poderio de suas principais equipes, já que Ferrari e Mercedes foram as equipes que mais conseguiram acumular quilometragem.

Os dois times dominaram a estatística de voltas acumuladas na semana: a Mercedes foi quem mais andou, com 2839 km, enquanto que a Ferrari registrou 2783 km. Os quatro pilotos das equipes também comandaram os números individuais, com Hamilton, Vettel, Bottas e Leclerc no top 4, nesta ordem.

1. Mercedes: 2839 km
2. Ferrari 2783 km
3. Alfa Romeo 2360 km
4. Toro Rosso 2243 km
5. Red Bull 2211 km
6. McLaren 2017 km
7. Renault 2015 km
8. Haas 1787 km
9. Racing Point 1154 km
10. Williams 409 km

***

A Pirelli também confirmou seu plano de desenvolvimento para os pneus da F1 nas próximas duas temporadas. A fabricante italiana terá de fornecer pneus para rodas de 13 polegadas em 2020, mudando para aro 18 no regulamento de 2021.

(Bruno Ferreira/Projeto Motor)

Os pneus de 2020 serão desenvolvidos a partir dos dias posteriores ao GP do Bahrein, em abril. Depois, haverá dois testes em Paul Ricard, em maio e setembro, além de atividades após o GP da Espanha, Áustria, Inglaterra e da Hungria.

A fabricante deverá começar a desenvolver ainda neste ano os pneus de 2021, mas dependerá do fornecimento de carros especiais para o teste dos compostos para rodas 18’’.

Assim ficou o quarto dia em Barcelona:

Pos. Piloto Equipe Tempo Pneu Voltas
1. Nico Hulkenberg Renault 1min17s393 C5 24
2. Alexander Albon Toro Rosso 1min17s637 C5 136
3. Daniel Ricciardo Renault 1min17s785 C5 34
4. Valtteri Bottas Mercedes 1min17s857 C5 57
5. Lewis Hamilton Mercedes 1min17s977 C4 58
6. Charles Leclerc Ferrari 1min18s046 C3 138
7. Lando Norris McLaren 1min18s431 C4 132
8. Antonio Giovinazzi Alfa Romeo 1min18s511 C3 154
9. Romain Grosjean Haas 1min18s563 C3 64
10. Kevin Magnussen Haas 1min17s720 C3 66
11. Pierre Gasly Red Bull 1min18s780 C3 146
12. Lance Stroll Racing Point 1min19s664 C2 72
13. George Russell Williams 1min20s997 C3 17
14. Robert Kubica Williams 1min21s542 C2 48


 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.