Emoção tardia: seis corridas que terminaram em batida na última volta

2

O clímax episódico no GP da Áustria com o toque entre Lewis Hamilton e Nico Rosberg foi o principal tópico do automobilismo neste fim de semana.

Na ânsia de manter a liderança do páreo, o alemão jogou o carro para cima do britânico e danificou sua própria asa dianteira, despencando para o quarto posto. Hamilton, por sua vez, conseguiu retornar para a pista e garantir sua 46ª vitória na F1 – a primeira em solo austríaco. Foi um encerramento fantástico para uma prova que se desenhava a favor de Rosberg até então.

LEIA MAIS: Não acontecem mais grandes batalhas na pista na F1 atual? Rolam sim…

A cena inteira aconteceu na última volta, em geral o átimo mais estável do percurso. Por vezes, porém, os deuses do automobilismo nos mimoseiam com guinadas nos momentos decisivos. Você se lembra de alguns? Se não, o Projeto Motor relembra alguns exemplos de provas em que os líderes se chocaram na última volta do percurso. Confira abaixo.

 Valentino Rossi x Sete Gibernau (MotoGP, Jerez-2005)

O auge da rivalidade entre o Doutor e o catalão. Na prova de abertura para a temporada de 2005, Gibernau comandara boa parte do páreo, sempre escoltado de perto por Rossi. Na última curva, porém, o italiano tentou uma manobra agressiva sobre Gibernau, encostando no rival e quebrando o para-choque dianteiro da RC211V. Enquanto o espanhol foi enviado à caixa de brita e terminou em segundo, Rossi venceu o percurso. Mas à época muitos consideraram a ultrapassagem controversa.

Jack Brabham x Jochen Rindt (F1, Monte Carlo-1970)

Jack Brabham travava um belo duelo com Jochen Rindt pela ponta. Na curva derradeira, porém, o australiano saiu da linha da pista para evitar um retardatário mais lento e prevenir a ultrapassagem de Rindt. No processo, os freios do BT33 emperraram e o carro derrapou para fora do percurso, espatifando no muro. Brabham ainda conseguiu reverter e retornar à pista. Mas não a tempo de alcançar Rindt, que venceu a prova na última atuação do icônico Lotus 49.

Marc Márquez x Valentino Rossi (MotoGP, Assen-2015)

A corrida em Assen teve um dos duelos mais intensos pela vitória nos últimos tempos da MotoGP. Ao longo do páreo, Márquez e Rossi se entremetiam em quem virava mais rápido, com o italiano sempre se mantendo na frente. Nos metros finais, Márquez colocou por dentro e encostou no Doutor, que escapou da pista. Ainda assim, Rossi voltou para o asfalto na frente e recebeu a bandeirada antes do catalão.

Takuma Sato x Dario Franchitti (Indy, 500 Milhas de Indianápolis-2012)

Na volta final das 500 Milhas de 2012, o japonês da Foyt desafiou a liderança do escocês na parte interna da curva 1. Mas o ás da Ganassi fechou demais o trajeto da curva e o asiático, sem espaço, perdeu o controle do carro e bateu no muro externo. Enquanto Sato terminou o percurso em 17º, Franchitti venceu a Indy 500 pela terceira vez na carreira.

Nick Heidfeld x Nicolas Prost (F-E, Pequim-2014)

Na primeira corrida da história da F-E, o francês da Dams conquistou a pole position e, à exceção de uma volta durante a janela de pitstops, liderou o percurso até a curva final. Foi o momento em que Nick Heidfeld, da Venturi, encurtou a distância para o francês e buscou a manobra pelo lado externo da pista. No processo, Prost encostou deliberadamente no germânico, que acabou derrapando e capotando em direção à barreira.

Denny Hamlin x Tony Stewart (Nascar, Sonoma-2016)

As últimas voltas da etapa da Sprint Cup em Sonoma, duas semanas atrás, foram um verdadeiro arranca-rabo entre Denny Hamlin, da Joe Gibbs, e Tony Stewart, da Stewart-Haas. Nos metros finais, Hamlin tinha a vantagem até passar do ponto de freada na última curva, tocar no muro e permitir a ultrapassagem de “Smoke”. A diferença entre os dois no fim foi de apenas 0s6.

DEBATE MOTOR #34 analisa: qual é o melhor destino para Massa em 2017?

 Comunicar Erro

Lucas Berredo

Natural de Belém do Pará, tem uma relação de longa data com o automobilismo, uma vez que, diz sua família, torcia por Ayrton Senna quando sequer sabia ler e escrever. Já adolescente, perdeu o pachequismo e passou a se interessar pelo estudo histórico do esporte a motor, desenvolvendo um estranho passatempo de compilar matérias e dados estatísticos. Jornalista desde os 18 anos, passou por Diário do Pará e Amazônia Jornal/O Liberal, cobrindo primariamente as áreas cultural e esportiva como repórter e subeditor. Aos 22, mudou-se para São Paulo, trabalhando finalmente com automobilismo no site Tazio, onde ficou de 2011 até o fim de 2013. Em paralelo ao jornalismo, teve uma rápida passagem pelo mercado editorial. Também é músico.

  • ituano_voador

    Só um pequeno reparo: o GP de Mônaco não foi a última corrida do Lotus 49; o Emerson usou esse carro nos GPs da Inglaterra e da Alemanha.

    • Lucas Berredo

      Verdade, Ituano. Farei a correção. Obrigado!