Ferrari azul? Jordan preta? Ligier vermelha? Pinturas raras da F1 – parte 1

2

O ser humano é associativo por natureza e um tanto resistente àquilo que lhe é fora do comum. Quando falamos de F1, tal comportamento se reflete no apreço por pontos seguros de identificação: quem assiste a um GP da categoria sabe que vai ver os carros da Ferrari sempre vermelhos. Há alguns anos acontecia o mesmo em relação à McLaren branca e vermelha da Marlboro, depois com a prateada da West e a cromada da Vodafone. O mesmo pode-se dizer da Williams da Camel, da Rothmans e da parceria com a BMW.

Quanto mais antiga e tradicional a associação, maior será o impacto de atenção que uma mudança provocará. O grande catalisador deste fenômeno, obviamente, é a cor utilizada para identificar os bólidos. Há aquelas usadas pela vida toda, como a da própria Ferrari, algumas que marcam um longo período, caso da Lotus John Player Special, e  outras que sobrevivem por uma ou duas temporadas, sem deixar tantas saudades.

Este artigo, porém, tem como objetivo focar apenas em pinturas raras da história da F1, que estiveram presente em um momentos bastante reservados, como um número limitadíssimo de GPs ou testes coletivos e/ou privados. São nesses casos em que o compromisso com patrocinadores está afrouxado, muitas vezes, que surgem verdadeiras obras de arte, ou até algumas bizarrices.

Nesta primeira parte do especial, de um total de três, o Projeto Motor traz 15 pinturas raras usadas por times como Ferrari, McLaren, Williams, Jordan, Red Bull, Sauber e até algumas “rejeitadas” do grid, tipo a Simtek. Confira na galeria (algumas imagens são bastante difíceis de encontrar, mais ainda em alta resolução, portanto pedimos desculpas pela qualidade de algumas delas).

 Comunicar Erro

Modesto Gonçalves

Começou a acompanhar automobilismo de forma assídua em 1994, curioso com a comoção gerada pela morte de Ayrton Senna. Naquela época, tomou a errada decisão de torcer por Damon Hill em vez de Michael Schumacher, por achar mais legal a combinação da pintura da Williams com o capacete do britânico. Até hoje tem que responder a indagações constrangedoras sobre a estranha preferência. Cursou jornalismo pensando em atuar especificamente com automóveis e corridas, e vem cumprindo o objetivo: formado em 2010, foi consultor do site especializado Tazio de meados de 2011 até o fim de 2013; desde maio de 2015 compõe o comitê editorial do Projeto Motor.

  • Cleber

    O tópico é sobre pinturas dos carros e vocês colocam os textos sobre as imagens?????????

  • Andre Luis Coli

    Boa matéria, não sabia dessa Ferrari azul e branco. E não lembrava da McLaren laranja de 2006, bem que podia voltar.