Ferrari vacila, Mercedes faz dobradinha em Sochi | Bate-Pronto

0

Tudo parecia bem na estratégia da Ferrari para o GP da Rússia desde domingo (29). O time italiano tentou controlar a corrida desde o início, fazendo inclusive uma manobra ensaiada para seus dois carros pularem na frente na largada. Só que vacilos da própria equipe abriram a porta para a Mercedes virar o jogo e terminar a corrida em Sochi com uma dobradinha, liderada por Lewis Hamilton.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor
Instagram – @projetomotor

Para a Ferrari, restou ver um de seus carros, de Vettel, abandonar com problemas, se contentar com o terceiro lugar de Leclerc, e ter que dar muitas explicações depois da prova sobre a nova derrota para a Mercedes.

Largada estratégica

A corrida tática da Ferrari começou logo na largada. Antes da prova, o time combinou com os pilotos uma manobra para que Charles Leclerc, pole, ajudasse Sebastian Vettel, terceiro, a passar Lewis Hamilton, segundo. O monegasco seguiria pelo lado esquerdo da pista, mesmo perdendo a chance de defender a ponta, para que o companheiro se aproveitasse do seu vácuo e pudesse passar o piloto da Mercedes. Além disso, o combinado, segundo Mattia Binotto, chefe do time da Maranello, também deixou em aberto a chance de Vettel passar o parceiro na primeira curva com alguma facilitação, para os dois não perderem tempo na primeira freada.

E tudo ocorreu como o previsto pela Ferrari. Leclerc puxou Vettel, que deixou a Mercedes de Hamilton para trás, e depois, aproveitando a maior velocidade graças ao váculo, ainda passou o companheiro ao final da grande zona de aceleração até a curva dois. Assim, a Ferrari tinha ao final da primeira volta as duas primeiras posições, com Hamilton em terceiro.

Briga pelo pelotão intermediário foi mais uma vez acirrada em Sochi (Foto: Carl Bingham / LAT Images / Pirelli)

Troca de posições

Logo começou então uma discussão no rádio sobre a segunda parte do combinado: Vettel deveria ceder a liderança de volta a Leclerc. O monegasco começou a pressionar a Ferrari, que transmitiu a ordem ao alemão para a troca de posições. Só que o tetracampeão alegou que o companheiro precisava se aproximar para ele conseguir dar passagem, enquanto ele seguia fazendo uma sequência de voltas mais rápidas. A Ferrari, então, decidiu deixar a inversão para mais tarde na prova.

Vettel fez um bom primeiro trecho de prova, abrindo 4s3 de vantagem à frente. Leclerc também conseguiu uma pequena margem para Hamilton, que variou entre 2s5 e 3s5 nesta primeira parte da prova. A Mercedes, neste ponto, tinha como carta na manga apenas o fato de estar com pneus médios contra os macios da Ferrari, para tentar alongar a primeira parte da prova até o pit stop para atacar na segunda.

As coisas começaram a mudar, no entanto, com a abertura da janela para troca de pneus. Leclerc, que andou atrás de Vettel as 20 primeiras voltas, começou a sofrer um pouco mais com o desgaste. A Ferrari então resolveu parar o monegasco antes, abrindo a chance de um undercut para trocar a liderança da corrida. Assim, o jovem de 21 anos parou na volta 22, trocou seus compostos macios por médios, e voltou andando mais rápido com borracha nova. Vettel entrou para o pit apenas quatro giros depois e acabou voltando atrás do companheiro.

Charles Leclerc, em Sochi
Charles Leclerc, em Sochi (Foto: Zak Mauger / LAT Images)

Ferrari desmorona e Mercedes age rápido

Mais uma vez, tudo parecia caminhar bem na estratégia da Ferrari para uma dobradinha em Sochi. Só que isso durou poucos metros. Na volta de retorno dos boxes, o carro de Vettel apagou por conta de um problema no MGU-K (sistema de recuperação de energia cinética). O alemão estacionou seu carro para abandonar a corrida. O que parecia ruim para a Ferrari, podia piorar. Com o carro do alemão na área de escape, a direção de prova acionou o safety car virtual, assim, a Mercedes, que ainda seguia com seus dois pilotos na pista graças à tática de largar com pneus médios, chamou sua dupla para a troca de pneus com os adversários andando mais devagar na pista.

Hamilton recebe banderia quadriculada em Sochi (Foto: Zak Mauger / LAT Images / Pirelli)

O resultado é que Hamilton voltou na liderança. Leclerc ainda teria a chance de manter a segunda posição, mas a Ferrari achou melhor também chama-lo ao pit para colocar os compostos macios de volta para tentar um ataque. Com a nova parada, Valtteri Bottas pulou para segundo.

Com o retorno da bandeira verde, as Mercedes conseguiram segurar a ponta, com Leclerc pouco efetivo na tentativa de ataque atrás dos dois carros do time alemão. Hamilton administrou até o final para vencer pela nona vez na temporada (82ª na carreira) e Bottas completou a oitava dobradinha do time em 2019. A Ferrari e Leclerc terminaram o domingo apenas com o terceiro lugar no pódio.

Outros Destaques

– Pagando punições por conta de troca de motores, a Red Bull conseguiu se recuperar bem com seus pilotos. Max Verstappen largou em nono e terminou em quarto. Alexander Albon, que saiu dos box por ter batido na classificação, terminou no quinto lugar.

– A McLaren mais uma vez terminou com seus dois pilotos na zona de pontuação (Carlos Sainz em sexto e Lando Norris, oitavo) e ampliou ainda mais sua vantagem no campeonato para a Renault na pela quarta posição no campeonato de construtores para 33 pontos.

– Sergio Pérez saiu de Sochi com bons pontos ao terminar em sétimo, depois de ter largado em 11º.

– A próxima etapa do Mundial de F1 acontece no dia 13 de outubro, com o GP do Japão, em Suzuka.


 Comunicar Erro

Projeto Motor