GP do Canadá é a corrida certa para quem quer vencer pela primeira vez

3

Nos dias de hoje, o GP do Canadá proporciona com frequência corridas das mais imprevisíveis da temporada da F1. O circuito de Montreal, com curvas rápidas, muros próximos e asfalto com pouca aderência, é prato cheio para acidentes dos mais diversos tipos, além de quebras de motor e freios, bastante exigidos no traçado.

Corridas malucas são o que não faltam no retrospecto da prova. E, enquanto muitos pilotos foram vítimas da imperdoável pista, outros viram nisso uma grande oportunidade para quebrar a banca e vencer pela primeira vez na F1 em solo canadense. São esses casos que o Projeto Motor relembra agora!

1978 – GILLES VILLENEUVE

Gilles Villeneuve
Villeneuve venceu pela primeira vez na estreia do circuito de Montreal na F1 (Divulgação)

Com a ascensão de Gilles Villeneuve e a segurança questionável do circuito de Mosport, a F1 levou, a partir de 78, o GP do Canadá para a pista situada em Montreal, maior cidade francófona do país.

A prova encerrava a temporada, que já havia coroado Mario Andretti e a Lotus como campeões. Villeneuve largou em terceiro e chegou a cair para quarto, mas pouco a pouco se recuperou, graças a ultrapassagens e problemas com seus adversários. A 20 voltas para o fim, Jean-Pierre Jarier, que liderava desde o início, abandonou com problemas, e Villeneuve herdou a ponta para vencer pela primeira vez na F1, levando a torcida ao delírio.

Menos de quatro anos depois, Villeneuve morreu em um acidente na Bélgica e o circuito de Montreal foi batizado em sua homenagem.

1989 – THIERRY BOUTSEN

Boutsen
Canadá, 1989: a primeira vitória da Williams-Renault, nas mãos de Boutsen (Divulgação)

O ano de 1989 marcava o início da parceria entre Williams e Renault, que rendeu vários frutos nos anos 90. A primeira vitória veio logo no ano de estreia, nas mãos de um piloto que também não sabia o que era subir no topo do pódio.

Entretanto, a jornada de Thierry Boutsen não foi nada fácil naquela tarde de junho em Montreal. A prova teve clima bastante instável, com chuva forte, o que exigiu troca de pneus em momentos estratégicos.

Boutsen rendia bem sob o aguaceiro, e, com o abandono de Alain Prost, ainda no início, e de Ayrton Senna, já no fim, venceu pela primeira vez. Ele voltaria ao topo do pódio mais duas vezes, na Austrália (também em 89) e Hungria (90).

1995 – JEAN ALESI

Alesi
Alesi, primeira vitória na F1 no dia de seu aniversário (Divulgação)

Quem viu Jean Alesi dando um verdadeiro calor em Senna nas ruas de Phoenix, em 90, não imaginava que demoraria tanto para o francês vencer na F1. Pois o seu dia de glória só veio em sua 91ª largada, no GP do Canadá de 95, quando também comemorava, no mesmo dia, seu aniversário de 31 anos.

Partindo da quinta posição, o francês ultrapassou seu parceiro de time, Gerhard Berger, e Damon Hill, que sofria com o rendimento de sua Williams. Além disso, herdou as posições de David Coulthard, que abandonou logo no início, e de Michael Schumacher. O alemão, no caso, liderava a prova com folga, mas, a dez voltas para o fim, sofreu com problemas mecânicos. Tal circunstância triunfal nunca mais se repetiu para o franco-siciliano.

2007 – LEWIS HAMILTON

Hamilton
Tranquilo, Hamilton viu Alonso errar logo na primeira curva (Wikicommons)

No início da temporada de 2007, Lewis Hamilton já vivia os primeiros dias da intensa rivalidade que protagonizou com Fernando Alonso ao longo daquele ano. A expectativa era de que o traiçoeiro circuito de Montreal favorecesse ao espanhol bicampeão, e não a Hamilton, que fazia apenas sua sexta largada na categoria. O que se viu foi o contrário.

Hamilton se portou como um verdadeiro veterano, ditando o ritmo e apresentando desempenho seguro. Alonso, por sua vez, mostrou se sentir pressionado, cometeu diversos erros e deixou a desejar em performance.

Além da vitória tranquila, Hamilton teve como “cereja do bolo” a embaraçosa ultrapassagem feita por Takuma Sato, da modesta Super Aguri, por fora em Alonso. Em Montreal, Hamilton mostrou que de fato havia chegado para ficar.

2008 – ROBERT KUBICA

Kubica
Kubica venceu um ano depois de seu acidente horroroso em Montreal (Divulgação)

A cena que marcou a vitória de Hamilton em Montreal, em 2007, foi o espetacular acidente de Robert Kubica na aproximação do hairpin. O promissor polonês, guiando pela equipe BMW, espantou qualquer fantasma e deu a volta por cima na edição do ano seguinte.

Kubica fazia temporada sólida em 2008 e mostrou desempenho promissor em Montreal desde o início. Ele ainda foi ajudado pela verdadeira lambança de Hamilton, que tirou a si próprio e a Kimi Raikkonen da briga em um acidente no pitlane.

Kubica também teve uma importante ajuda de seu companheiro, Nick Heidfeld, que abriu passagem a ele em um momento importante para assegurar a dobradinha da BMW. Envolvido em um acidente de rali em 2011, Kubica deu adeus à F1 com uma única vitória no bolso.

2014 – DANIEL RICCIARDO

Ricciardo
Ricciardo contou com problemas da Mercedes para vencer no Canadá (Divulgação)

O último nome dessa lista fez por merecer seu lugar no rol de vencedores da F1 justamente na edição do ano passado da prova. Quebrando todos os prognósticos, Daniel Ricciardo colocou fim à soberania da Mercedes e venceu em sua sétima largada pela Red Bull.

Nico Rosberg e Lewis Hamilton haviam disparado na frente no início da corrida e chegaram a abrir 30s para o restante do pelotão. Porém, de forma esquisita, ambas as Mercedes sofreram problemas quase que simultaneamente, o que fez com que Hamilton deixasse a prova e Rosberg se arrastasse.

Dali em diante, Ricciardo conseguiu alcançar o alemão e fez a ultrapassagem decisiva na volta 68, a três para o fim. Ricciardo se tornou o único a desbancar a Mercedes naquele ano, tendo subido no topo do pódio também na Hungria e Bélgica.

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de edições das 24 Horas de Le Mans e provas de categorias como Indy e WTCC.