Hamilton quer o céu, Button tenta sair do inferno em Silverstone

0

São poucos os pilotos do atual grid da F1 que já obtiveram o feito de triunfar em uma corrida em sua terra natal. A próxima etapa da temporada de 2015 representará uma chance para que isso aconteça novamente, já que Lewis Hamilton é o único que possui condições minimamente realistas de fechar o ano com uma vitória em casa.

Para o bicampeão mundial, a corrida em Silverstone vai além da simples oportunidade de conquistar um troféu a mais para a sua coleção. O inglês, dominado por Nico Rosberg no GP da Áustria, busca recuperar a vantagem psicológica na batalha pelo título, já que o alemão resiste e permanece vivo na tabela, somente dez pontos atrás do companheiro.

Hamilton "foi para a galera" com vitória em Silverstone em 2014 (Divulgação)
Hamilton “foi para a galera” com vitória em Silverstone em 2014 (Divulgação)

Coincidentemente ou não, nas duas outras vezes que venceu na Inglaterra, em 2008 e 2014, Hamilton também fechou o ano com o título mundial. As vitórias tiveram uma pitada de drama, com uma chuva torrencial nos tempos de McLaren e a arrancada do sexto lugar no grid no ano passado. Um novo triunfo em Silverstone em 2015 poderá servir como o impulso necessário para que Hamilton retome a fase avassaladora e “enterre” de vez Rosberg na luta pelo título.

Pelo retrospecto recente, a Mercedes dispara como favorita absoluta à vitória na Inglaterra. O W06 é versátil e responde bem a diferentes características de pista, e, em um traçado de alta velocidade como Silverstone, com curvas fluídas e velozes, a tendência é que o potencial do carro fique ainda mais evidente. A confiabilidade, uma das poucas fraquezas do time em 2014, parece não ser mais uma ameaça.

Se subir no pódio, Massa espantará passado ruim em Silverstone (Glenn Dunbar)
Massa tem passado ruim em Silverstone (Glenn Dunbar)

Com evolução em sua unidade de potência, a Ferrari bem que tentou se aproximar da Mercedes na disputa pela ponta. Na Áustria, o SF15-T não impressionou em ritmo puro, e acabou sendo superado até mesmo pela Williams após um vacilo da equipe no pitstop de Sebastian Vettel. Os dois times deverão repetir a disputa pelo último degrau do pódio em Silverstone, embora o time vermelho ainda leve vantagem – especialmente se o mau tempo der as caras, já que a Williams tende a sofrer em pista molhada.

Assim, para Felipe Massa, é difícil sonhar com um resultado além do obtido na Áustria, quando conquistou seu primeiro pódio no ano. Aliás, caso consiga terminar entre os três primeiros pela segunda vez seguida, o vice-campeão mundial de 2008 quebraria um velho tabu pessoal no circuito, já que nunca sequer bebeu o champanhe na corrida em Silverstone.

LEIA TAMBÉM: Promessas brasileiras pós-Senna que não se concretizaram na F1 – Parte 1

Chance para Hamilton, calvário para Button

Se as condições são promissoras para Lewis Hamilton voltar a engrenar no campeonato, o mesmo não pode se dizer do outro britânico do grid campeão mundial. Jenson Button viverá, diante de sua torcida, mais um capítulo de seu calvário em 2015, em um circuito que deverá escancarar todas as fraquezas do conjunto McLaren-Honda.

Apesar de todo o esforço da equipe inglesa no desenvolvimento do carro, o MP4-30 ainda apresenta fraquezas com a falta de equilíbrio nas curvas, o que é um prognóstico de pesadelo para o veloz traçado de Silverstone. Além disso, a deficiência da unidade de potência da Honda também ficará visível nas longas retas do circuito.

Button nunca conseguiu subir no pódio em sua corrida de casa

Para piorar ainda mais a situação, a McLaren poderá sofrer novamente com punições semelhantes às vistas nas duas últimas corridas, quando Button e Fernando Alonso largaram do fundo do grid após mudanças em suas unidades de potência.

Sofrimento em Silverstone, aliás, não é nenhuma novidade para Button. Mesmo com sua carreira vitoriosa, incluindo um título mundial, o inglês acumula atuações apagadas em sua corrida natal, sendo três quartos lugares (2004, 2010 e 2014) seus melhores resultados em casa.

LEIA TAMBÉM: Menos, Smedley: Massa jogou fora tantos pontos quanto a Ferrari em 2008

Quem também não deverá ter vida fácil no GP da Inglaterra é Felipe Nasr. O brasileiro terá de lutar com as limitações do Sauber C34, que, em tese, não possui características para se destacar no pelotão intermediário. Assim, Nasr terá mais chances de chamar atenção durante o treino classificatório, sendo que, na corrida, a chuva (que não deverá aparecer) poderá ser a única esperança na busca por preciosos pontos.

GP DA INGLATERRA – SILVERSTONE

Mapa SilverstoneData: 05/07/2015
Extensão do circuito: 5,891 km
Número de voltas:
52
Pneus:
médios e duros
Pole position em 2014:
N. Rosberg (Mercedes), 1:35.766
Vencedor em 2014: L. Hamilton (Mercedes)
Estratégia vencedora em 2014: duas paradas

HORÁRIOS

Sexta-feira
Treino livre 1:
6h – 7h30
Treino livre 2: 10h – 11h30

Sábado
Treino livre 3:
6h – 7h
Classificação: 9h – 10h

Domingo
Corrida:
9h

Horários de Brasília

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.