Numerama #12: Raikkonen iguala número de pódios de Senna

0

Kimi Raikkonen chegou ao 80º pódio na carreira no último domingo (29), em Abu Dhabi, e, com isso, igualou o número de pódios de Ayrton Senna na F1.

Contudo, enquanto o tricampeão demorou 158 GPs para alcançar a marca, o finlandês precisou de 231 largadas. É por isso que, quando se leva em conta o número de pódios em relação ao total de partidas, Kimi aparece apenas em 16º (34,6%), enquanto Senna é o décimo mais bem posicionado (49,7%).

Em números absolutos, Kimi agora é o quinto, empatado com Senna, atrás de Michael Schumacher (155), Alain Prost (106), Fernando Alonso (97) e Lewis Hamilton (82).

Mercedes: novo recorde de dobradinhas e pódios numa única temporada (Divulgação)
Mercedes: novo recorde de dobradinhas e pódios numa única temporada (Divulgação)

O fim de semana em Abu Dhabi foi marcado por dois novos recordes da Mercedes: número de dobradinhas e número de pódios numa única temporada. No primeiro quesito, a melhor marca de antes pertencia à própria equipe alemã, que em 2014 fechara 11 dobradinhas em 19 GPs (57,9%). Neste ano, foram 12 em 19 – 63,2% –, porcentagem que supera até a McLaren de 1988 (10 em 16 GPs – 62,5%) e a Ferrari de 2002 (9 em 17 – 52,9%).

Em quantidade de pódios, a Mercedes conseguiu 32 de 38 possíveis. Este montante ultrapassa as marcas da própria equipe alemã no ano passado (31 de 38) e da Ferrari em 2004 (29 de 36) e 2002 (27 de 34).

Na briga interna, Nico Rosberg garantiu sua terceira vitória consecutiva, todas partindo da pole – algo que nem o campeão Lewis Hamilton conseguiu. O alemão conquistou a posição de honra no grid pelo sexto GP em sequência e seu 14º triunfo na carreira, o que o iguala aos campeões mundiais Jack Brabham, Emerson Fittipaldi e Graham Hill.

Rosberg (no centro): mesmo número de vitórias de Hill, Fittipaldi e Brabham
Rosberg (no centro): mesmo número de vitórias de Hill, Fittipaldi e Brabham

De qualquer forma, nem a surpreendente recuperação nas últimas corridas impediu o desequilíbrio no confronto do alemão com Hamilton na classificação final. Pálido principalmente no trecho intermediário do certame, Rosberg terminou o ano a 59 pontos do colega de equipe – uma diferença de duas vitórias –, tendo chegado atrás do britânico em dez de 19 GPs e largado atrás em 12.

Posições finais no campeonato foram protocolares

O Mundial de Pilotos terminou exatamente como o de Construtores em 2015. Isto é, os dez melhores na tabela de ases corresponderam às cinco equipes mais competentes, na ordem fiel – dois pilotos da Mercedes, dois da Ferrari, dois da Williams, dois da Red Bull e dois da Force India.

Nestes cinco duelos “agrupados”, o destaque vai para os confrontos intermediários na Red Bull, em que o novato Daniil Kvyat derrotou Daniel Ricciardo por 95 tentos a 92, e na Force India, em que Sergio Pérez subjugou Nico Hulkenberg por uma diferença de 20 pontos – no ano passado, o germânico ficou à frente do mexicano.

O confronto mais díspar aconteceu na Sauber: Felipe Nasr marcou rigorosamente o triplo de pontos do companheiro Marcus Ericsson.

Veja na tabela abaixo como ficaram os duelos internos das equipes em 2015:

Tabela 2

Assista à edição #15 do DEBATE MOTOR, com a equipe analisando o GP de Abu Dhabi:

 

 Comunicar Erro

Lucas Berredo

Natural de Belém do Pará, tem uma relação de longa data com o automobilismo, uma vez que, diz sua família, torcia por Ayrton Senna quando sequer sabia ler e escrever. Já adolescente, perdeu o pachequismo e passou a se interessar pelo estudo histórico do esporte a motor, desenvolvendo um estranho passatempo de compilar matérias e dados estatísticos. Jornalista desde os 18 anos, passou por Diário do Pará e Amazônia Jornal/O Liberal, cobrindo primariamente as áreas cultural e esportiva como repórter e subeditor. Aos 22, mudou-se para São Paulo, trabalhando finalmente com automobilismo no site Tazio, onde ficou de 2011 até o fim de 2013. Em paralelo ao jornalismo, teve uma rápida passagem pelo mercado editorial. Também é músico.