Numerama #16: quem venceu os 3 primeiros GPs nunca perdeu título da F1

2

Em 2016, só dá ele. Neste domingo (17), Nico Rosberg venceu o GP da China, conquistando sua terceira vitória consecutiva no ano e abrindo uma diferença de 36 pontos no campeonato para o vice-líder Lewis Hamilton.

O domínio não deixa de ser surpreendente. O pífio retrospecto do germânico contra o tricampeão nos últimos dois anos levou muitos – incluindo o autor deste texto – a perder a confiança em seu potencial. Afinal, se em 2014 a oposição alemã ainda endurecia o jogo nas classificações, o ano passado mostrou um cenário difícil, em que muitas vezes o oponente mais sólido para Hamilton parecia vir de Maranello e não da garagem ao lado.

VÍDEOS, ENTREVISTAS E DEBATES: curta nosso canal no YouTube!

Em 2016, porém, o jogo parece que mudou. Rosberg venceu a tríade inicial de GPs, o que, ao menos no quesito estatístico, lhe garante um amplo favoritismo. Isso porque nunca na história da F1 um piloto triunfou nas três primeiras rodadas e não foi campeão.

Claro, pesa para o germânico o fato de o calendário desta temporada ser o mais longo na história do esporte. Também não podemos desprezar que Hamilton de repente vença os quatro próximos GPs e supere o colega na tabela de pontuação. Não é um cenário impossível.

De qualquer forma, enumerando na amostragem apenas os que venceram os três primeiros GPs, todos saíram bem-sucedidos no fim do ano: Ayrton Senna em 1991, Damon Hill em 1996, Nigel Mansell em 1992 e Michael Schumacher em 1994, 2000 e 2004. Uma lista expressiva e que, por que não, confere um bom prospecto de título para Rosberg nos próximos meses.

Schumacher: o último a vencer as três primeiras provas do calendário em 2004 (Ferrari/Colombo)
Schumacher: o último a vencer as três primeiras provas do calendário em 2004 (Ferrari/Colombo)

Novos recordes para Rosberg

Com sua 17ª vitória no currículo, Nico Rosberg agora é o piloto sem títulos com maior número de triunfos na F1. Até a semana retrasada, o germânico estava empatado com Stirling Moss na lista. Agora, embora sua porcentagem de triunfos seja bem inferior ao inglês – 9,04% x 24,24% -, Rosberg o ultrapassou em números absolutos.

Em porcentagem de vitórias, aliás, Rosberg já deixou vários campeões para trás. Tendo vencido 9% dos GPs que disputou, o piloto da Mercedes está à frente de nomes como Kimi Raikkonen (8,55%), Graham Hill (8%), Denny Hulme (7,14%) e John Surtees (5,41%). O líder nesta estatística ainda é Juan Manuel Fangio, que chegou em primeiro em 47,1% das provas que correu.

Ainda neste fim de semana, Rosberg também conquistou sua 23ª pole position na F1, passando Fernando Alonso e a uma de igualar Nelson Piquet, e sua sexta vitória consecutiva na carreira. Este último dado é significativo: somente Sebastian Vettel (9 vitórias entre Spa-13 e Interlagos-13), Alberto Ascari (7, Spa-52 a Buenos Aires-53) e Michael Schumacher (6, Nurburgring-04 a Hungaroring-04 e Monza-00 a Sepang-01) conseguiram sequência semelhante.

Rosberg: sexta vitória consecutiva na carreira (Colombo)
Rosberg: sexta vitória consecutiva na carreira (Colombo)

Massa em sequência positiva

Felipe Massa chegou quatro posições à frente de Valtteri Bottas em Xangai e está próximo de igualar sua melhor sequência contra um companheiro de equipe na F1. Desde México-2015, o vice-campeão de 2008 não perde uma disputa na linha de chegada para o finlandês – ou seja, são quatro GPs consecutivos na frente, levando em conta também a etapa de Abu Dhabi.

A melhor série positiva de Massa contra um rival interno aconteceu também no ano passado. Felipe completou 5 GPs consecutivos à frente de Bottas entre Red Bull Ring e Monza, confirmando dois pódios contra nenhum do finlandês.

Outras sequências semelhantes aconteceram em 2005, contra Jacques Villeneuve (entre os GPs do Brasil e da China), e em 2008, contra Kimi Raikkonen (entre os GPs da Bélgica e da Itália). Nos últimos casos, porém, a sequência não ultrapassou duas corridas.

Felipe Massa

Pódio nº 100 da Mercedes e melhor volta para a Force India

Xangai vai ser um episódio nunes na temporada, já que, pela primeira vez no ano, apenas um piloto da Mercedes ocupou o pódio.

De qualquer forma, com o primeiro lugar de Rosberg, a equipe alemã conquistou seu 100º top 3 na F1. O time de Stuttgart foi o nono a alcançar uma centena de pódios, juntando-se a Ferrari, McLaren, Williams, Lotus, Brabham, Red Bull, Benetton e Renault na relação.

Também neste fim de semana a Force India conquistou sua quarta melhor volta na história: Nico Hulkenberg, que fez 1min39s824 no circuito chinês, também obteve o feito para o time de Silverstone em Cingapura-12. As outras foram obtidas por Adrian Sutil (Monza-09) e Sergio Pérez (Spielberg-14).

Hulkenberg China

Primeiro GP sem quebras da era V6

Este foi o quarto GP na história da F1 – e o primeiro na atual era V6 turbo, iniciada dois anos atrás – em que todos os carros alinhados no grid encerraram o páreo. Na última vez, em Valência-2011, o número de pilotos era superior – 24, contra 22, na atual temporada. Em Monza-2005, 20 carros largaram, enquanto em Zandvoort-1961 apenas 17 alinharam no grid.

Curiosamente, em três das quatro ocasiões, o vencedor foi um alemão: Nico Rosberg, em 2016; Sebastian Vettel, em 2011; e Wolfgang von Trips, em 1961.

DEBATE MOTOR #23: Como fazer da F1 uma competição mais justa?

 Comunicar Erro

Lucas Berredo

Natural de Belém do Pará, tem uma relação de longa data com o automobilismo, uma vez que, diz sua família, torcia por Ayrton Senna quando sequer sabia ler e escrever. Já adolescente, perdeu o pachequismo e passou a se interessar pelo estudo histórico do esporte a motor, desenvolvendo um estranho passatempo de compilar matérias e dados estatísticos. Jornalista desde os 18 anos, passou por Diário do Pará e Amazônia Jornal/O Liberal, cobrindo primariamente as áreas cultural e esportiva como repórter e subeditor. Aos 22, mudou-se para São Paulo, trabalhando finalmente com automobilismo no site Tazio, onde ficou de 2011 até o fim de 2013. Em paralelo ao jornalismo, teve uma rápida passagem pelo mercado editorial. Também é músico.

  • curió

    Eu duvido muito que Rosberg seja campeão. Hamilton não tardará, ira colocar ele no seu devido lugar. Se Rosberg está em grande fase, é porque a Fórmula 1 esta em má fase. Pilotos medianos não vão longe na categoria.

  • Alexander, NotTheKing

    tabus foram feitos para serem quebrados. E em outras épocas não haviam 21 corridas, ou seja, temos 31,2% mais corridas hoje. Na teoria, ele teria que vencer os 4 primeiros GPS para o tabu ficar mais “estável”, hehehehe.