Numerama #23: Hamilton atinge marca ‘supersticiosa’ para conquista do título

1

Depois de um começo complicado de temporada, Lewis Hamilton reagiu e está de volta ao páreo na disputa pelo título de 2016 da F1. No último domingo (10), o tricampeão venceu de forma dominante o GP da Inglaterra e colou de vez em Nico Rosberg no topo da tabela, somente um ponto atrás de seu colega na Mercedes.

Mas, se Hamilton for uma pessoa supersticiosa, o triunfo em Silverstone serviu como bom presságio sobre a possível conquista do tetracampeonato. Além disso, o inglês anotou uma importante marca em relação aos seus compatriotas no retrospecto em seu GP doméstico.

ENTREVISTAS, MATÉRIAS E DEBATES: siga nosso canal no YouTube

O fim de semana também coroou a ascensão de Max Verstappen desde sua mudança à Red Bull e representou uma marca histórica para Kimi Raikkonen. Vamos, então, a mais uma edição do Numerama, com as principais estatísticas do GP da Inglaterra de 2016! E, claro, se você lembrar de algum outro dado que deixamos passar, fique à vontade para mencioná-los nos comentários abaixo!

Hamilton, a dez poles de Senna

Hamilton 2

No sábado, Hamilton anotou a 55ª pole position de sua carreira na F1, ficando com apenas dez a menos que Ayrton Senna, seu ídolo de infância. O tricampeão brasileiro é o segundo piloto que mais largou na ponta na F1 – o líder é Michael Schumacher, com 68.

Foi também a quarta pole position de Hamilton no GP da Inglaterra, o que igualou a marca do lendário Stirling Moss. O recordista de poles na prova é Jim Clark, com cinco.

Igualando a marca de Mansell

Mansell

O triunfo de Hamilton no domingo representou o quarto do piloto no GP da Inglaterra, o que o deixa empatado com Nigel Mansell como o inglês com mais vitórias em sua corrida doméstica. No entanto, o “Leão” venceu uma outra vez em casa, o que não é contabilizado nessa estatística – em 1985, a corrida na pista de Brands Hatch era chamada de GP da Europa.

No que depender do retrospecto, Hamilton tem bons motivos para confiar na conquista do tetracampeonato. Suas outras três vitórias no GP da Inglaterra foram justamente nos anos em que se sagraria campeão (2008, 2014 e 2015). Mas, pensando por esse lado, Hamilton deve se preocupar com a próxima corrida do calendário, o GP da Hungria: todas suas quatro vitórias em Hungaroring aconteceram nos anos em que ele não conquistou o título.

Fique ligado no Projeto Motor e siga nosso Twitter!

Hamilton, o único na casa dos 2000 pontos

Com a vitória em Silverstone, Hamilton chegou a 2034 pontos na carreira. O piloto da Mercedes segue como o único a superar a barreira dos dois milhares de tentos em sua passagem pela categoria.

Sebastian Vettel também poderia ter obtido o feito na Inglaterra, mas o nono lugar o deixou com 1994 pontos. Porém, é sempre bom lembrar que as mudanças no sistema de pontuação da F1 têm grande peso nessa estatística – se hoje o vencedor leva 25 pontos para casa, até 2009 eram apenas 10.

Mercedes chega a 140 vitórias na F1

Hamilton 3

Os motores Mercedes atingiram uma importante marca com o primeiro lugar de Hamilton: 140 vitórias na F1. Ao todo, foram 54 com equipe própria, 78 com a McLaren e oito com a Brawn GP.

A marca alemã se mantém firme e forte como a quarta maior vencedora entre as construtoras de motores da história. Entretanto, ela terá um longo caminho pela frente para encostar nas demais: A Renault é a terceira, com 168, atrás da Ford Cosworth, com 176, e a Ferrari, com 225.

Mudanças na ordem do pódio

Rosberg cruzou a linha de chegada na segunda posição, mas acabou punido por ter recebido instruções via rádio para corrigir um problema de câmbio. Max Verstappen, então, herdou o segundo posto, o que derrubou o líder do campeonato para terceiro.

Foi a primeira mudança em um pódio depois do término da prova desde o GP da Austrália de 2014. Na ocasião, Daniel Ricciardo completou em segundo e acabou desclassificado devido a uma irregularidade com o consumo de combustível de seu carro. Keving Magnussen, então na McLaren, e Jenson Button, seu companheiro de equipe, herdaram as posições no pódio.

Verstappen se destaca na Red Bull

Verstappen

Piloto mais jovem da F1 na atualidade, Max Verstappen vem atraindo os holofotes do público desde que se mudou para a Red Bull. Se contarmos somente as provas que fez pela equipe austríaca, do GP da Espanha para cá, o holandês é o segundo piloto com mais pontos, com 77. Apenas Hamilton anotou mais neste período, com 110. Para se ter uma noção do feito, Rosberg registrou 68 pontos nessa amostragem, e Ricciardo, 64.

Além disso, Verstappen conquistou seu terceiro pódio na categoria em Silverstone, o que o colocou em posição de destaque nas estatísticas de seu país. Ele já se torna o holandês com mais pódios na F1, deixando para trás justamente seu pai, Jos Verstappen, que registrou dois terceiros lugares em 1994.

Raikkonen, uma centena de corridas na Ferrari

Raikkonen

No fim de semana em que anunciou sua renovação de contrato com a Ferrari, Kimi Raikkonen atingiu uma marca importante em sua parceria com a equipe italiana. O campeão de 2007 fez, em Silverstone, sua 100º corrida com o macacão vermelho de Maranello.

Raikkonen é o quarto piloto com mais largadas pela equipe italiana, o que deverá virar terceiro em breve: à sua frente está Rubens Barrichello, que fez 102 GPs pelo time. O líder é Michael Schumacher, com 180, seguido de Felipe Massa, com 139.
Debate Motor #35: como Mercedes deve lidar com briga Hamilton x Rosberg?

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.

  • Dox

    Essa questão de pontuação provoca certo desconforto em quem deivulga algum dado nesse sentido.
    Tentando resolver este problema, e com o intuito de traçar uma real comparação entre pilotos, um aficcionado criou um site que proporciona simulações com todas as formas de pontuação já adotadas na Formula 1. É muito interessante e mais realista.
    http://formula1.markwessel.com/home