Numerama #28: Rosberg quebra tabu e iguala feito raro de Schumacher e Button

0

Nico Rosberg conquistou uma importante vitória no GP de Cingapura para voltar à liderança da temporada de 2016 da F1. E a boa notícia não poderia ter vindo em melhor hora, já que o alemão comemorou em Marina Bay sua 200º corrida na F1.

Mais que isso, a vitória deu a Rosberg a oportunidade de igualar um feito raro, anteriormente só obtido por Michael Schumacher e Jenson Button. Já Kimi Raikkonen, outro campeão mundial, também teve outra celebração curiosa envolvendo o número 200.

ENTREVISTAS, MATÉRIAS E DEBATES: siga nosso canal no YouTube

Já Sebastian Vettel, pole e vencedor da edição de 2015 do GP de Cingapura, confirmou uma tendência estranha para os pilotos da Ferrari. Além disso, a prova de 2016 viu um tabu sendo quebrado, enquanto que outro ficou mais forte do que nunca.

Confira as principais estatísticas e curiosidades do GP de Cingapura de 2016 em mais uma edição do Numerama! Se você lembrar de algum outro fato que deixamos passar, fique à vontade para mencionar nos comentários abaixo!

Marca especial para Nico Rosberg e a Toro Rosso

Rosberg fez sua estreia no GP do Bahrein de 2006 (Williams)
Rosberg fez sua estreia no GP do Bahrein de 2006 (Williams)

Estreantes na F1 no distante GP do Bahrein de 2006, Nico Rosberg e a equipe Toro Rosso alcançaram a marca de 200 corridas na principal competição automobilística do planeta.

Rosberg tornou-se o 16º a acumular mais de duas centenas de largadas na categoria, o que já o deixa com mais participações que Alain Prost (199 GPs). Já a Toro Rosso, que assumiu as funções da Minardi na década passada, foi o 15º time a alcançar a marca.

Kimi Raikkonen, 200 vezes no top 10

Raikkonen largou em quinto no GP de Cingapura (Ferrari)
Raikkonen largou em quinto no GP de Cingapura (Ferrari)

O veterano Kimi Raikkonen também teve um motivo para comemorar envolvendo o número 200. Com o quinto lugar no treino classificatório, o finlandês alcançou duas centenas de corridas iniciadas no top 10 do grid de largada.

Destas corridas, 16 foram iniciadas da pole position, mais 18 do segundo lugar do grid. A maior frequência é vista no quinto lugar da ordem de largada, de onde o campeão mundial de 2007 iniciou 30 GPs.

Feito histórico para a Mercedes no sábado

A pole position de Nico Rosberg representou a 150º vez em que um motor Mercedes partiu da primeira posição em uma largada. A marca alemã tornou-se a terceira fabricante a obter tal feito, atrás da Renault (213) e da Ferrari (209).

Além disso, Rosberg e Hamilton agora são, de forma isolada, a dupla que mais obteve poles como companheiros de equipe da história da F1. De 2013 para cá, o alemão e o inglês dominaram 58 treinos classificatórios, um a mais do que conseguiram Sebastian Vettel e Mark Webber entre 2009 e 2013.

Vettel e o estranho retrospecto “do céu ao inferno” na Ferrari

Vettel, pole em 2015, último em 2016 (Ferrari)
Vettel, pole em 2015, último em 2016 (Ferrari)

A Ferrari já obteve três pole positions na história do GP de Cingapura, e, em duas delas, apresentou uma estranha tendência: na participação seguinte de seu piloto na prova, tudo deu errado e ele largou da última posição.

Felipe Massa registrou a pole position da edição inaugural em Marina Bay, em 2008. Em sua largada seguinte em Cingapura, em 2010 (Massa ficou fora da corrida de 2009 enquanto se recuperava de seu acidente), sofreu problemas no treino e partiu de último. Em 2016, o mesmo aconteceu com Sebastian Vettel, pole position no ano passado. O alemão ao menos conseguiu fazer boa recuperação e fechar a corrida em quinto.

Rosberg iguala feito raro de Schumacher e Button

Button comemora vitória em seu GP 200 (McLaren)
Button comemora vitória em seu GP 200 (McLaren)

A comemoração de Rosberg por seus 200 GPs na F1 foi coroada com a vitória no domingo. Dos 16 pilotos que alcançaram a marca, o alemão foi apenas o terceiro a vencer na corrida em que comemorou 200 participações.

Michael Schumacher largou da pole position e venceu com tranquilidade em sua 200ª corrida, no GP da Espanha de 2004. Já Jenson Button obteve uma conquista dramática em situações adversas no GP da Hungria de 2011.

Rosberg completou seus 200 GPs com nada menos que 22 vitórias em seu currículo. Apenas três pilotos contavam com mais vitórias nesse estágio da carreira: Schumacher (76), Fernando Alonso (31) e Nelson Piquet (23).

Esse tabu foi quebrado…

Nico Rosberg tornou-se o primeiro não campeão mundial a vencer o GP de Cingapura. As edições anteriores da prova foram vencidas por Fernando Alonso (2008 e 2010), Lewis Hamilton (2009 e 2014) e Sebastian Vettel (2011, 2012, 2013 e 2015).

… já esse tabu segue intacto

Primeiro Safety Car em Cingapura ficou bem famoso... (Renault)
Primeiro Safety Car em Cingapura ficou bem famoso… (Renault)

O acidente de Nico Hulkenberg nos metros iniciais da corrida assegurou que uma tradição da prova noturna fosse mantida. Em todas as edições do GP de Cingapura o Safety Car foi acionado. Ao todo, foram 14 aparições em nove corridas em Marina Bay.

Ricciardo dá prêmio de consolação à Red Bull

Com um carro veloz em circuitos travados, a Red Bull esbanjava otimismo antes do GP de Cingapura. A vitória não veio, mas, ao menos, houve um motivo importante para comemorar. Enquanto perseguia Nico Rosberg de maneira alucinada nas voltas finais, Daniel Ricciardo anotou a 50º volta mais rápida da história da Red Bull.

Assim, o time austríaco passa a ser o quinto time da história a registrar meia centena de voltas mais rápidas. A líder na estatística é a Ferrari (234), à frente de McLaren (154), Williams (133) e Lotus (76).

Assista ao DEBATE MOTOR #45: O que muda na F1 com a troca de donos?

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.