Numerama #34: Título de Rosberg põe fim à segunda maior espera da história

8

A F1 conheceu um novo campeão mundial em 2016: Nico Rosberg, o 33º a obter a conquista máxima na categoria. O segundo lugar alcançado na decisão em Abu Dhabi foi suficiente para que o alemão, aos 31 anos de idade, fechasse o ano com cinco pontos de vantagem para seu companheiro de Mercedes, Lewis Hamilton.

Acompanhe o Projeto Motor nas redes:
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
YouTube – Projeto Motor

O título premiou a paciência e a perseverança de Rosberg, que foi o segundo piloto que mais disputou campeonatos antes de erguer sua primeira taça. Em termos de idade, fazia décadas que um piloto tão velho não entrava no rol dos campeões mundiais.

O ano de 2016 também representou um domínio categórico da Mercedes, superado apenas pela histórica campanha da McLaren em 1988. Além disso, Hamilton teve um prêmio de consolação com suas dez vitórias na temporada.

Vamos a mais uma edição do Numerama, com as principais estatísticas pós-GP de Abu Dhabi de 2016!

A demora para comemorar o título

rosberg-2

Rosberg se tornou campeão mundial em seu GP de número 206 na categoria. Nenhum outro campeão da história demorou tantas corridas para obter tal feito – mas vale lembrar que o alemão é cria de uma F1 com calendários muito mais inflados do que antigamente.

Analisando o número de temporadas disputadas, apenas Nigel Mansell levou mais tempo que Rosberg para conquistar o título. O inglês ergueu a taça em seu 12º campeonato completo na F1, enquanto que Nico o fez em sua 11ª campanha.

O mais velho a se tornar campeão em 20 anos

Em uma era de grande precocidade na F1, um dado sobre o feito de Rosberg chama a atenção: o alemão é o piloto mais velho a entrar no rol de campeões mundiais em duas décadas.

Rosberg conquistou o título aos 31 anos e cinco meses de idade. O último a obter seu primeiro caneco com mais idade foi Damon Hill, que tinha 36 anos e 26 dias no GP do Japão de 1996.

Hamilton, o vice que mais venceu

hamilton

A vitória em Abu Dhabi foi a 10º de Lewis Hamilton na temporada de 2016. Nenhum outro vice-campeão da história da F1 havia vencido tantas provas, tanto em números absolutos quanto em relativos – o inglês triunfou em 47% das corridas do ano.

Quem havia chegado mais perto disso foi Alain Prost, que tanto em 1988 quanto em 1984 venceu sete corridas, ou em 43% da temporada.

Mercedes tem o segundo melhor aproveitamento da história

A Mercedes fechou a temporada de 2016 com 19 vitórias em 21 corridas. Nenhuma outra equipe havia vencido tantas provas em um mesmo ano. Obviamente, o calendário de 2016, o maior já visto na F1, deu a chance para que isso acontecesse.

Em números relativos, no entanto, a Mercedes obteve o segundo maior aproveitamento da história: venceu 90% das provas do ano, apenas atrás da McLaren, que, em 1988, triunfou em 93% da temporada.

Tempos de sucesso para a Alemanha

A Alemanha, terra de Michael Schumacher e Sebastian Vettel, se torna o quarto país a contar com pelo menos três campeões mundiais de F1, ao lado de Inglaterra, Brasil e Finlândia. Foi o 12º título da nação na categoria.

LEIA TAMBÉM: 5 razões para perder vergonha de dizer: Rosberg merece ser campeão da F1

A conquista de Rosberg, aliás, dá continuidade ao domínio anglo-alemão visto na F1 recente. O último piloto campeão da F1 que não nasceu na Inglaterra ou na Alemanha foi Kimi Raikkonen, no distante ano de 2007.

De pai para filho

rosberg

Nico, filho do campeão mundial Keke Rosberg, é o segundo piloto a repetir o feito do pai e abocanhar o título. O outro havia sido Damon Hill, campeão de 1996, filho de Graham, que triunfou em 1962 e 1968.

No caso dos Rosberg, uma coincidência marca o título dos dois: tanto Keke quanto Nico correram com o carro de nº 6 em suas conquistas.

Fim da linha para Massa

massa

O GP de Abu Dhabi foi a despedida de Felipe Massa da F1. O brasileiro deu adeus justamente na simbólica marca de 250 GPs, sendo o oitavo da história a atingir tal número.

Mas nem tudo foi motivo de comemoração para Massa. O piloto terminou sua última temporada na categoria com o 11º lugar na tabela, sua pior posição desde 2005, quando ainda competia pela Sauber – em 2009, Massa também fechou o campeonato em 11º, mas competiu em apenas nove de 17 corridas devido ao seu acidente na Hungria.

Além disso, superado por Valtteri Bottas, Massa conclui sua carreira com uma incômoda marca: terminou atrás de seu companheiro de equipe em 11 de seus 14 campeonatos. A única ressalva novamente é 2009, quando terminou o campeonato atrás de Kimi Raikkonen, mas esteve à frente do finlandês enquanto competiu.

Saldo negativo para o automobilismo brasileiro

Em tempos de sérias dúvidas a respeito da continuidade do Brasil na F1, um acontecimento acentua ainda mais a crise. Foi a primeira vez em 18 anos que nenhum representante do país ficou entre os dez mais bem colocados ao término de um campeonato – o último havia sido Rubens Barrichello, 12º em 1998.

Parceria entre Button e McLaren chega ao fim

button

Outro que deu adeus em 2016 foi Jenson Button. O campeão de 2009 encerra seu ciclo na categoria com 305 largadas, 18 a menos que o recordista absoluto, Rubens Barrichello, que segue sem ameaças no posto.

Foi o ponto final da parceria entre Button e a McLaren, que durava desde 2010. O inglês se tornou o segundo piloto com mais corridas pela escuderia de Woking: 135, atrás apenas de David Coulthard, com 150.

Debate Motor #54: Como um piloto se torna um dos grandes do esporte?

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.

  • MPeters

    Eu não diria que foi coincidência o Nico conquistar o título com o carro de mesmo numeral que o pai dele, pois o próprio Nico, quando foi instituída a regra de cada piloto ter o seu próprio número, disse que escolheu o número 6 por ser o número do carro do pai dele quando este foi campeão.

    • É verdade, Peters. De fato não é lá uma coincidência. Mas, de qualquer forma, fica lá o registro como curiosidade. Valeu pelo comentário e abraços!

  • Andre Luis Coli

    Nico deixou de ser o piloto com mais vitórias (23) sem nunca ter sido campeão mundial. O título retornou para Stirling Moss (16).

  • Angelito

    “Rosberg conquistou o título aos 31 anos e cinco meses de idade. O último a obter seu primeiro caneco com mais idade foi Damon Hill, que tinha 36 anos e 26 dias no GP do Japão de 1996.

    (…)

    Nico, filho do campeão mundial Keke Rosberg, é o segundo piloto a repetir o feito do pai e abocanhar o título. O outro havia sido Damon Hill, campeão de 1996, filho de Graham, que triunfou em 1962 e 1968.”

    Coloco essas falas apenas de curiosidade. Interessante como os filhos demoraram tanto para chegarem ao mesmo status dos pais (ainda que Damon não tenha se sagrado bicampeão, é um campeão)

    • MPeters

      Só que o Damon fez uma carreira totalmente atípica pra chegar à F1, tanto pros padrões atuais quanto pros da época.

  • Gabala

    O que podemos tirar da Temporada de 2016 da Fórmula 1:

    1. Parabéns Rosberg! Aproveitou com perfeição aquela que pode ter sido mesmo a “última chance” dele, que já tem 31 anos e está entrando em fim de carreira. Se aproveitou de tudo o que pôde.

    2. Para o Hamilton, faltou foco total. Ele se acomodou (com seus 3 títulos) durante um pedaço do campeonato e acabou tomando um olé da dama da sorte na Malásia. Isso foi um dos fatores decisivos nesse ano.

    3. Felipe Massa saiu pela porta da frente, assim como Jenson Button. Button se destacou pela sua pilotagem cerebral e incrível, sendo o que melhor imitou Alain Prost até hoje, saindo com o título de 2009 nas costas por causa disso. Massa por sua vez mereceu o de 2008 e pôde sair pela frente só pelos 20 segundos em que ele foi campeão, enchendo o Brasil de orgulho.

    4. Por falar em Brasil, a coisa tá preta para o nosso automobilismo. Nasr está com um pé fora da F1 e isso seria horrível para a nação. Uma pena.

    5. A Haas foi a surpresa mais grata dos últimos anos. Competitiva sempre, juntou com Grosjean 29 pontos. Nada mal para uma estreante. E que a Haas dure e acrescente muito a categoria.

    6. O fenômeno chamado Max Verstappen explodiu. Muito talento, alguns shows de performance e a quebra de vários recordes ao longo da temporada lançaram o Holandês de 19 anos ao estrelato. Nesse ano ele terminou em quinto. Imagine no futuro?

    7. A McLaren está voltando ao topo. A Honda está pegando a mão com os V6, Button é um grande desenvolvedor de carros (e ele ficará na equipe) e Alonso é simplesmente Alonso. Fora o Vandoorne que tem um excelente cartão de visitas.

    • Augusto

      Grandes promessas pra proxima temporada,imagino q vai ser outro domínio da mercedes,mas seria interessante ver o verstappen “atrapalhando”,ou até mesmo verstappen e vandoorne brigando por posições

      • Gabala

        Eu imagino também um domínio da Mercedes mas talvez só em 2017. As outras equipes irão se equiparar a Mercedes. Claro, as maiores.