Os filmes ligados à F1 que gostaríamos de ver nas telas de cinema

4

Vira e mexe sai algum rumor aqui ou ali sobre novos filmes de automobilismo ou de F1 que fazem os fãs ficarem animados com a ideia de ir ao cinema. A maioria dos projetos das últimas décadas não andou, mas temos bons exemplos para lembrar e até assistir.

Todo mundo que gosta de corrida de carro se recorda, claro, dos dois maiores clássicos: “Grand Prix”, de John Frankenheimer, lançado em 1966, e “Le Mans”, dirigido por Lee H. Katzin e estrelado pelo inesquecível Steve McQueen, de 1971.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor

Mais recente, tivemos em 2010 o documentário “Senna”, um grande sucesso de público internacional, dirigido por Asif Kapadia, e “Rush”, de Ron Howard, que chegou aos cinemas em 2013. Williams e McLaren também estão lançando, de forma mais institucional, longas-metragens sobre a equipe e Bruce McLaren, respectivamente.

Para quem curte uma boa história, sem ligar tanto para ação dentro da pista, vale também dar uma conferida em “Operación Fangio”, do diretor Alberto Lecchi, de 2000, que conta a famosa passagem do sequestro de Juan Manuel Fangio em Cuba, a qual  já relembramos em detalhes aqui no Projeto Motor.

Esses são alguns títulos apenas para exemplos, claro. Em uma breve pesquisa você encontra vários outros bons filmes sobre automobilismo. Só que o Comitê Editorial do Projeto Motor resolveu fazer algo diferente. E os filmes que nunca foram feitos?

Pensamos algumas histórias que acreditamos que poderiam ser contadas nos cinemas e que gerariam belos longas. Segue a lista, e fique à vontade de sugerir outros recortes ligados de alguma forma à F1 que poderiam ir para as telas.

A BRIGA FRATRICIDA NA FERRARI ENTRE HAWTHORN E COLLINS COM MUSSO

Hawthorn e Musso em suas Ferraris
Hawthorn e Musso em suas Ferraris

Uma das histórias de rivalidade mais impressionantes da F1 e que terminou em tragédia. Os três pilotos eram companheiros de Ferrari, mas acirraram tanto a disputa interna em 1958 que a equipe perdeu dois de seus piloto durante o ano em acidentes.

Mike Hawthorn e Peter Collins eram muito amigos. Eles tinham um acordo de dividir os prêmios das vitórias, fosse quem ganhasse. No outro carro, estava Luigi Musso, que não se dava muito bem com a dupla inglesa (dentro e fora da pista) e estava fora do pacto.

A briga realmente era intensa, com Hawthorn e Collins se ajudando enquanto Musso buscava sempre derrubar os companheiros. No GP da França, o que melhor pagava ao vencedor na época, em uma perseguição a Hawthorn, o italiano perdeu o controle de sua Ferrari e bateu violentamente. Ele chegou a ser levado ao hospital, mas morreu. A maneira extremamente agressiva que Musso pilotou naquele dia era consequência de uma pressão que ele vinha sofrendo por estar enterrado em dívidas e precisando do dinheiro da vitória.

Menos de dois meses depois, foi a vez de Collins, em um acidente na Alemanha, também perder a vida. Hawthorn sagrou-se campeão da F1, mas resolveu anunciar a aposentadoria logo em seguida. Quis o destino que ele também viesse a morrer menos de um ano depois em um acidente de carro em uma estrada na Inglaterra.

TAZIO NUVOLARI

Nuvolari: vitória “impossível” em Nurburgring (Divulgação)
Nuvolari: vitória “impossível” em Nurburgring (Divulgação)

Um dos grandes heróis da história do automobilismo que competiu na era dos Grand Prixs, antes da II Guerra. Sua relação com o esporte a motor é incrível, começando nas motos e depois partindo para as quatro rodas, onde se notabilizou como um dos melhores pilotos do período.

Tem vitórias em praticamente todos os GPs importantes, passando pelas mais diversas equipes da época. Em um de seus triunfos mais famosos, deu um show no GP da Alemanha de 1935 com sua Alfa Romeo, frente a um público de 300 mil germânicos, incluindo os principais líderes do Partido Nazista, que esperava uma vitória da Auto Union ou Mercedes.

Nuvolari se tornou uma lenda na Itália. Ele morreu em 1952, após dois derrames. Seu velório contou com a presença de mais de 50 mil pessoas, na cidade italiana de Mantua. Seu caixão seguiu em procissão sob um chassi, empurrado por Alberto Ascari, Luigi Villoresi e Juan Manuel Fangio até a tumba de sua família.

LEIA MAIS – O dia em que Tazio Nuvolari calou o nazismo em Nurburgring

JEAN PIERRE WIMILLE

Jean-Pierre Wimille no GP da Suíça de 48 (Divulgação)
Jean-Pierre Wimille no GP da Suíça de 48 (Divulgação)

Outra grande história que ficaria muito bem nas telas. Wimille foi outro grande piloto da época pré-II Guerra e que também teve sucesso no retorno do automobilismo, entre os anos 40 e 50.

Outro dado interessante é que durante o embate contra os nazistas, ele foi um membro da Resistência francesa e chegou a atuar como espião, participando de missões importantes e perigosas.

Com o fim da Guerra, ele voltou quase que imediatamente às corridas, com muito sucesso. Em 1948, já sob o regulamento F1, ele chegou a dominar a temporada de Grande Prêmios, que ainda não estava organizada em campeonato.

Mesmo já na casa dos 40 anos, Wimille certamente seria um dos principais nomes do início da F1, mas acabou perdendo a vida antes da realização do primeiro campeonato, em um acidente durante uma corrida na Argentina, em 1949.

LEIA MAIS – Como um espião antinazista quase se tornou o primeiro campeão da F1

JONH SURTEES

Em 58 e 59, Surtees venceu simplesmente todas as corridas que disputou nas classes 350 e 500 cc
Em 58 e 59, Surtees venceu simplesmente todas as corridas que disputou nas classes 350 e 500 cc

Campeão mundial nas duas e quatro rodas, Surtees também teve uma vida incrível ligada ao esporte a motor. Filho de um dono de uma loja de motos, aprendeu com pai a arte da pilotagem.

Após um tetracampeonato na motovelocidade, desgostoso com os contratos que o amarravam na categoria, resolveu começar a experimentar os carros. E como a história nos mostra, também teve muito sucesso, com um título na F1 e na Cam-Am.

LEIA MAIS – Imagine Marc Márquez campeão de MotoGP e F1. Você chegará a John Surtees

JACK BRABHAM

O australiano é um dos personagens mais incríveis da história do automobilismo. Seu brilhantismo dentro e fora das pistas certamente resultaria em um belo roteiro.

Jack Brabham, em 1966, em seu Brabham-Repco
Jack Brabham, em 1966, em seu Brabham-Repco

Brabham era um mecânico da Força Aérea australiana e dono de uma pequena oficina que foi aos poucos se relacionando com as corridas de carro. Começou com pequenas provas de circuito de terra (algo parecido com as gaiolas de hoje) em seus país natal e chegou ao título da F1.

Além de ótimo piloto, se notabilizou como grande desenvolvedor de carros, sendo, até hoje, o único volante a vencer o campeonato com sua própria equipe, também se tornando um construtor de sucesso.

LEIA MAIS – Ainda é possível repetir feito de Jack Brabham na F1 moderna?

COLIN CHAPMAN

Colin Chapman e suas criações na Lotus
Colin Chapman e suas criações na Lotus

Quem conhece um pouco que seja da história da F1, sabe quem é e o que fez Colin Chapman. Um dos principais construtores da categoria, o inglês realizou proezas nas pranchetas com sua Lotus, criando alguns dos carros mais incríveis que competiram no campeonato.

Trabalhou com pilotos como Jim Clark, Graham Hill, Jochen Rindt, Emerson Fittipaldi, Mario Andretti, entre tantos outros.

LEIA MAIS – 10+ Projeto Motor: os melhores projetistas da história da F1

A CONQUISTA DA AMÉRICA: A VITÓRIA DE CLARK NA INDY 500

Clark e Chapman celebram a vitória na Indy 500 de 1965
Clark e Chapman celebram a vitória na Indy 500 de 1965

Sim, a vida de Jim Clark também mereceria um filme, como sugerimos o de Colin Chapman. No entanto, resolvemos aqui sugerir um recorte da vida de ambos, que foi o projeto que os levou ao triunfo nas 500 Milhas de Indianápolis de 1965.

Aquela temporada foi quase perfeita para o escocês, que venceu praticamente tudo, conquistando ainda o título da F1.

Para os europeus, as 500 Milhas ainda eram uma missão dificílima. O último não-americano a triunfar em Indianápolis tinha sido Gaston Chevrolet, em 1920. Por isso, para realizar a façanha, Chapman estudou a prova e se preparou de forma bastante especial, além de levar seu melhor piloto para a empreitada. Imperdível.

LEIA MAIS – 1965: o ano em que Jim Clark chegou muito próximo da perfeição

A TEMPORADA DE 1982

Gilles Villeneuve e Didier Pironi em Ímola, 1982
Gilles Villeneuve e Didier Pironi em Ímola, 1982

O campeonato de 1982 da F1 foi um dos mais malucos da história. O filme poderia contar a história daquela época como um todo, ou até poderíamos fazer alguns recortes, como a greve de pilotos na África do Sul ou a incrível jornada de Keke Rosberg, o nome menos provável que poderia ficar com o título.

Isso sem esquecer as brigas políticas da FISA com as equipes, a trágica rivalidade de Gilles Villeneuve e Didier Pironi, e por aí vai. Material é o que não falta. Ficaria até parecido com Grand Prix, mas baseado em fatos reais.

GILLES VILLENEUVE

Gilles Villeneuve controla sua Ferrari
Gilles Villeneuve controla sua Ferrari

Falando em Villeneuve, sim, ele merece um filme só dele. É um ótimo personagem. Pelo fato de vir da neve canadense, onde participava de corridas de snowmobile, pela forma como conseguiu entrar na F1 e encantar logo cara a Ferrari, como se tornou um ídolo da torcida vermelha, mesmo com poucas conquistas, pelo seu relacionamento intenso com Enzo Ferrari e, claro, pela forma como morreu.

Gilles tinha uma personalidade forte, e suas histórias caberiam muito bem nas telonas. Além disso, seu filho ainda conquistou o título que ele não conseguiu, 15 anos após sua morte, o que ainda daria um belo final para o longa.

LEIA MAIS – Gilles Villeneuve: por que um piloto instável e sem títulos é endeusado até hoje?

ECCLESTONE: O REI MALDITO

Bernie Ecclestone

Ainda mais agora que sua passagem pelo comando da F1 terminou, nada mais normal que alguém faça o filme sobre o império de Ecclestone, um empresário de muito visão, que chegou a tentar ser dono de equipe, piloto, manager, e que se destacou como administrador da categoria mais importante do automobilismo mundial.

Sua personalidade e atitudes polêmicas, certamente dariam um ar interessante ao protagonista do filme, com passagens interessantes de bastidores, como os vários acordos que ele realizou com pilotos, presidentes, reis e até bandidos internacionais.

LEIA MAIS – Bernie, o homem que tirou a F1 do amadorismo para torná-la insustentável

SENNA X PROST

Senna Prost

Por favor, bola cantada, não? Talvez o filme mais esperado por todos que gostam de F1, contando os bastidores de uma das maiores rivalidades da história da categoria.

Um recorte perfeito da vida desses dois gênios das pistas, em que seria mostrado a forma como os ânimos se acirraram, a escalada da briga, os receios internos de cada um, e as pazes poucos meses antes da morte de Senna. Quem não assistiria a este filme?

DAMON HIll: DA TRAGÉDIA À GLÓRIA

Graham Hill observa o filho Damon brincar em sua Lotus
Graham Hill observa o filho Damon brincar em sua Lotus

Muita gente não sabe, mas, se não foi um dos pilotos mais talentosos, Damon Hill tem uma das histórias de vida mais incríveis entre os campeões mundiais.

Após a morte do pai, Graham, a família de Hill foi quase à falência por conta das dívidas deixadas pelo bicampeão. Damon começou a carreira no motociclismo, mas, sem dinheiro, teve que se financiar com trabalhos dos mais diversos, como peão numa plantação de batatas, motorista de colheitadeira num milharal, pedreiro em obras e motoboy em Londres.

Depois, foi vencendo barreiras, muitas vezes utilizando as portas abertas por seu sobrenome, verdade, mas derrubando também diversos obstáculos, e, contando um pouco com a sorte, sagrou-se campeão mundial.

LEIA MAIS – Damon Hill: o antipiloto que desafiou lógica para triunfar na F1

ALESSANDRO ZANARDI

Zanardi paraciclismo

Piloto talentoso, que conquistou títulos nos Estados Unidos, teve duas chances na F1, perdeu as pernas em um terrível acidente na Indy, e sagrou-se campeão olímpico.

A trajetória de Zanardi é belíssima e certamente, com uns belos toques no roteiro e o recorte certo, daria um ótimo filme, que chamaria a atenção de muito mais gente além dos fãs normais do automobilismo.

SPYGATE: A TEMPORADA DE 2007 DA F1

Alonso, com Ron Dennis atrás, após a polêmica classificação do GP da Hungria de 2007
Alonso, com Ron Dennis atrás, após a polêmica classificação do GP da Hungria de 2007

Um campeonato estranhíssimo, que contou com um dos casos mais estranhos da história da F1 de espionagem industrial envolvendo as duas principais equipes do campeonato. Toda a história da briga interna entre Fernando Alonso contra Ron Dennis e Lewis Hamilton, que culminou na revelação dos dados roubados pela McLaren da Ferrari seria um ótimo cenário.

A temporada de 2007 vale sim um filme principalmente pelos personagens e pela posição em que eles assumiram durante o ano, algo que realmente lembra alguns bons filmes de espionagem e ação de Hollywood.

HAMILTON X ROSBERG

Rosberg "sofre" nas mãos de Hamilton desde os tempos de kart
Rosberg “sofre” nas mãos de Hamilton desde os tempos de kart

Esta é uma sugestão que certamente não seria bem digerida hoje, mas que pode se tornar uma bela história para ser contada daqui uns 20 anos.

Pode parecer bobo na atualidade, mas Hamilton e Rosberg competiram juntos desde a infância, ainda no kart, passaram por diversas categorias juntos e chegaram não só à F1, mas à equipe dominante da categoria ao mesmo tempo.

Durante boa parte desse período, foram bons amigos até que a pressão de um mano-a-mano explodiu em uma rivalidade que extravasou as pistas. Certamente um roteiro de filme que merecerá alguma atenção daqui uns anos.

 

Debate Motor #91: a F1 ficou com medo da chuva?

 

 

 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.

  • Jefferson

    Nelson Piquet?????

    • Leandro Farias

      +18 xD

  • André Alves

    Alguém aqui já viu o filme do fundador do Mcdonalds? Pra quem não viu, é bem o tipo de filme que eu imaginaria sendo feito sobre o Bernie Ecclestone. Daria um filme muito bom.

  • Andre Luis Coli

    Quero ver todos. A história do Zanardi tem toda a cara de filme finalista no Oscar, não sei como ainda não fizeram. Ano que vem deve sair o filme sobre a carreira do Prost.