Pilotos aposentados que voltaram a sentir o gosto de guiar um F1 – Parte 1

7

O Projeto Motorlevantou em outras oportunidades a discussão sobre como é difícil saber a hora certa de pendurar o capacete. Sobremodo, os ases que se aposentam eventualmente sentem falta da antiga rotina, e precisam encontrar uma forma de supri-la.

Alguns deles tiveram o gostinho de matar as saudades realizando testes posteriores com bólidos da F1, e aqui não estamos falando somente de uma voltinha com modelos antigos num festival nostálgico qualquer. Nosso foco está em sessões “para valer”, realizadas em autódromos fechados, com carros da época vigente e, em muitos casos, tendo o desempenho comparado diretamente ao de ases ainda em atividade.

Acompanhe o PROJETO MOTOR na redes sociais: Twitter | Facebook | YouTube

Neste especial em três partes vamos contar algumas dessas histórias. Seguem os primeiros cinco casos.

1. Jackie Stewart (1978 a 97)

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Sir” Jackie Stewart deixou as pistas no fim de 1973 ainda novo, aos 34 anos. Passou a atuar como comentarista e a contribuir com a elaboração de diversos conteúdos jornalísticos acerca da F1 e do automobilismo em geral. Tais funções permitiram a ele se tornar uma espécie de sommelier: o tricampeão teve oportunidade de conhecer dezenas de bólidos de distintas épocas.

Entre dezembro de 77 e abril de 78, por exemplo, o escocês liderou uma série de baterias de testes com Lotus 78, Tyrrell P34 e 008, Brabham BT46, McLaren M26, Ligier JS7, Renault RS10 e Wolf WR1 no circuito francês de Paul Ricard, como parte de um especial da revista britânica Autocar. Infelizmente não encontramos registros online dessa preciosidade para compartilhar com o douto leitor – se alguém dispuser desse material, fique à vontade para nos avisar -, mas ao menos conseguimos coletar algumas raras fotografias e vídeos. Também em 78, no fim de semana do GP de Mônaco, o bretão realizou uma bateria de filmagens onboard conduzindo o Tyrrell 008 de Patrick Depailler.

Entre 88 e 89 ele voltaria à ação avaliando Lotus 100T (Snetterton), Benetton B187 (Oulton Park) e March 881 (Silverstone), além do lendário Jaguar XJR 9 usado pela TWR nas 24 Horas de Le Mans (Silverstone), para uma série de reportagens televisivas veiculada na Austrália. Por fim, em 97, fez questão de realizar por si mesmo o shakedown do Stewart SF01, o primeiro da linhagem de três carros concebidos por sua escuderia, também em Silverstone. Dessa ocasião também participou o filho Paul, chefe da equipe, conduzindo um segundo carro. Confira as imagens na galeria acima e alguns vídeos desses testes logo abaixo.

Atualização: os atentos amigos Rian Assis (o famoso Rianov) e Vitor Veine enviaram três novas imagens de Stewart. As duas primeiras, com o McLaren M26 e o Wolf WR1, são as partes que faltavam do especial para a revista Autocar, de 77/78. A terceira é de um teste até então desconhecido com o Williams FW12, provavelmente realizado no mesmo período das sessões com Lotus 100T, Benetton B187 e March 881. Tais imagens foram acrescentadas à galeria.

Stewart com o Tyrrell P34, em dezembro de 1977…

…Dando um rolê em Mônaco com o Tyrrell 008, em 78…

…Com o Lotus 100T, no final de 1988…

…Com o Benetton B187, em 1989…

…E com o March 881, também em 89

2. Jacky Ickx (1981)

Jacky Ickx Brabham 1981

Afastado da F1, mas ainda ativo nas competições de esporte-protótipo, o multicampeão de Le Mans Jacky Ickx recém igualara o recorde de triunfos em Sarthe, pertencente ao compatriota Olivier Gendebien. Com o prestígio em alta, o belga de então 36 anos foi chamado por Bernie Ecclestone para, em dezembro de 81, participar de um teste com o BT49 equipado com motor Ford Cosworth em Silverstone, ao lado dos novatos Geoff Brabham, Manfred Winkelhock, Thierry Boutsen e Corrado Fabi. Os titulares Nelson Piquet e Riccardo Patrese também estavam presentes.

A bateria foi bastante agitada, visto que a escuderia testou configurações com motores BMW turbo ou Ford Cosworth aspirado, e também com pneus Goodyear ou Avon. Distante dos monopostos há dois anos, Ickx virou 1:06.6 a bordo do BT49 Cosworth Goodyear. Dos iniciantes, somente Brabham foi mais veloz (1:06.3). O problema é que Patrese e Piquet chegaram à casa de 1:02.6 nesta configuração. O italiano ainda baixou para 1:02.43 calçado com arcos da Avon, enquanto o brasileiro chegou a 1:02.41 usando propulsor BMW.

3. James Hunt (1990)

James Hunt Williams 1990

Vivendo em dificuldades financeiras no final dos anos 80, devido à vida pouco regrada e por ter investido num fundo perdido do mercado de seguros, James Hunt cogitou seriamente um retorno à F1, mesmo já próximo dos 43 anos. A Williams lhe deu oportunidade de avaliar suas condições num treino privado em Paul Ricard, a bordo do FW12, mas o britânico se mostrou totalmente fora de ritmo. Apesar de acreditar (ou pelo menos afirmar) que ainda tinha capacidade física de pilotar profissionalmente, Hunt jamais obteve um convite formal de retorno ao grid, e passou suas últimas primaveras (ele faleceria em 93) atuando como comentarista de Murray Walker na BBC.

4. Jacques Laffite (1996)

Jacques Laffite Ligier 1996

O douto leitor pode considerar este como um achado dos mais raros. Nota-se pela qualidade da imagem. Aqui vemos o cinquentão Jacques Laffite, que à época era supervisor técnico da Ligier, participando do shakedown do JS43, último modelo da história da esquadra. A brincadeira foi realizada no começo de 96, aparentemente em Silverstone. Com esse bólido Olivier Panis obteria um inesperado triunfo (o último da operação francesa) no GP de Mônaco.

5. Mika Hakkinen (2006)

Formula 1 Testing, Barcelona

Aposentado da F1 precocemente em 2001, Mika Hakkinen tentou esboçar um regresso à categoria no fim de 2006, quando participou de uma bateria de treinos extra-oficiais com a McLaren em Barcelona. Para muitos, não passou de truque publicitário. Ron Dennis, à época o chefão da equipe, afirmou por sua vez que o finlandês de 38 anos estava ali com intuito de ajudar a desenvolver o MP4-22, especialmente porque o time voltaria a usar pneus Bridgestone depois de cinco anos calçado pelos Michelin.

Entretanto, o próprio finlandês categorizou a ação como “absolutamente séria”, deixando clara a intenção de retornar aos monopostos após uma sequência de altos e baixos no DTM. Só que Hakkinen sentiu os cinco anos de ausência no grid e, depois de dar 79 giros pelo traçado de Montmeló, foi o único dos 18 participantes a não conseguir baixar da casa de 1 minuto e 19 segundos (1:19.340 foi sua melhor marca). O líder da sessão, Luca Badoer, rodou em 1:16.3, enquanto o iniciante Lewis Hamilton virou 1:17.070 a bordo do mesmo MP4-21 usado pelo finês.

DEBATE MOTOR #72: qual a melhor temporada de um piloto na história da F1?

 Comunicar Erro

Modesto Gonçalves

Começou a acompanhar automobilismo de forma assídua em 1994, curioso com a comoção gerada pela morte de Ayrton Senna. Naquela época, tomou a errada decisão de torcer por Damon Hill em vez de Michael Schumacher, por achar mais legal a combinação da pintura da Williams com o capacete do britânico. Até hoje tem que responder a indagações constrangedoras sobre a estranha preferência. Cursou jornalismo pensando em atuar especificamente com automóveis e corridas, e vem cumprindo o objetivo: formado em 2010, foi consultor do site especializado Tazio de meados de 2011 até o fim de 2013; desde maio de 2015 compõe o comitê editorial do Projeto Motor.

  • ituano_voador

    Jackie Stewart fez a volta de aquecimento e formação do grid do GP da França de 1978 com um Renault RS10 equipado com uma câmara de vídeo; podia ter dado um migué e ficado para a corrida, mas acabou retornando aos boxes.

  • Renan Do Nascimento

    Faltou o niki lauda na jaguar em 2002 senão me engano.
    Excelente materia, sempre descubro novidades com vocês, nao sabia varios casos citados.

    • Projeto Motor

      Olá, Renan, tudo bem?

      Esse especial terá mais partes e com certeza o caso do Lauda na Jaguar será mencionado.

      Valeu pela sugestão e grande abraço!

  • Luiz S

    Curiosidade, o Prost chegou a fazer shakedown ou dar umas voltas nos carros da equipe dele ?

    • Projeto Motor

      Até o momento não encontramos nada a respeito, Luiz, mas estamos pesquisando.

      Grande abraço!

      • Gabriel Silva

        Se eu não me engano, o Prost andou com a Mclaren na pré-temporada de 1996.

        • Projeto Motor

          Você está certo, Gabriel. E não foi só na pré-temporada de 96. Vamos contar os casos completos nas próximas partes. =)