Por que possível Hamilton x Vettel é o maior embate em duas décadas da F1

11

A F1 começou a temporada de 2017 e entre os seus vários problemas – antigos e novos, como a falta de ultrapassagens -, a luta pela vitória em uma situação normal de corrida com mais de uma equipe animou muita gente.

Mais do que isso, estamos falando de um possível embate direto entre os dois principais pilotos dos últimos 10 anos: Sebastian Vettel e Lewis Hamilton. Por isso, mesmo que as provas talvez ainda não ganhem a emoção que muita gente gostaria, o campeonato deste ano merecerá sim uma atenção especial.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor

Claro que ao ler este começo de texto, entendo que muita gente vai perguntar: e o Alonso? No título você colocou dos “em duas décadas”, está louco? Não, calma. Antes de entrarmos nos méritos dos dois protagonistas, é preciso explicar que o espanhol da McLaren, mesmo sendo um dos pilotos mais talentosos da F1 em muito tempo,  não conseguiu, por diversos motivos, se tornar o ícone que esses dois se transformaram.

Não foi só a questão de carro, mas escolhas erradas e atitudes que o impediram de cumprir a missão de ser o sucessor de Schumacher na segunda metade da década de 2000. E mesmo assim, ele participou de três decisões de título na corrida final neste período e perdeu todas. Fechou portas e já há algum tempo que luta por pontos.

Alonso não deixa de ser um dos mais talentosos do grid atual. Não faltam aquelas que o apontam como o melhor. Mas é impossível não admitir que na luta com Vettel e Hamilton, se não acontecer uma virada nas próximas duas temporadas em sua carreira, o espanhol ficou para trás. Mas que seria lindo ele como o terceiro concorrente nesta batalha, seria. Ah, seria…

O grandioso Vettel x Hamilton

A carreira desses dois tem nuances curiosamente parecidas. Ambos chegaram à F1 graças ao investimento de equipes que acreditaram no seu potencial. Vettel pela Red Bull e Hamilton pela McLaren.

Hamilton surpreendeu o mundo e principalmente seu companheiro, Alonso, em 2007
Hamilton surpreendeu o mundo e principalmente seu companheiro, Alonso, em 2007

Os dois fizeram a estreia no mesmo ano, em 2007. A diferença é que o inglês já começou sua trajetória pela McLaren, na época uma equipe de ponta, enquanto o alemão fez sua primeira prova emprestado à BMW em Indianápolis como substituto de Robert Kubica, que tinha sofrido um forte acidente no Canadá. Depois, fez a reta final daquela temporada e a seguinte pela Toro Rosso.

O talento dos dois não demorou a aparecer. Eles explodiram muito rápido. Logo em sua primeira prova no Mundial, Hamilton chegou a andar na frente do companheiro Alonso e, depois de uma troca feita pela equipe, ainda terminou no pódio. No final do campeonato, quase conquistou o título em sua primeira tentativa. E no ano seguinte, voltou à briga e levou o caneco.

Vettel conseguiu um quarto lugar pela Toro Rosso em sua sétima corrida na F1. Em 2008, sua primeira temporada completa, levou a equipe B da Red Bull à vitória no GP da Itália, o que lhe valeu o passaporte para o time principal da companhia em 2009.

Vettel venceu sua 1ª corrida na F1 pela Toro Rosso com um show na chuva em Monza, e 2008
Vettel venceu sua 1ª corrida na F1 pela Toro Rosso com um show na chuva em Monza, e 2008

O alemão surfou no sucesso da escuderia do touro entre 2010 e 2013, conquistando quatro campeonatos consecutivos. Em pelo menos em dois deles, sofreu forte concorrência de Alonso e soube se impor. Com a mudança de regulamento, foi a vez de Hamilton voltar a se sagrar campeão por dois anos consecutivos com a Mercedes. Claro que a derrota para o companheiro Nico Rosberg em 2016 deixa um asterisco neste período em que ele poderia ter dominado a F1.

De qualquer maneira, estamos falando de dois pilotos que venceram um total de sete campeonatos dos últimos nove. É muita coisa. Nem todo mundo gosta de se apegar a estatísticas para análises deste tipo, mas a frieza dos números, muitas vezes, ajuda a diminuir o lado emocional. E quando olhamos os dados desta briga, eles são impressionantes.

Vamos usar as informações atualizadas até o GP da Austrália de 2017 para mostrar que os dois estão entre os maiores de todos os tempos:

Vitórias

Hamilton celebra sua vitória no GP de Mônaco de 2016
Hamilton celebra sua vitória no GP de Mônaco de 2016

Hamilton já é o segundo maior vencedor da história, com 53 triunfos, atrás apenas de Michael Schumacher (91). Vettel está um pouco atrás, em quarto com 43. Alain Prost, 51, separa os dois.

E é importante destacar que mesmo se fazendo por uma média vitórias por GPs disputados, eles seguem entre os melhores, com Hamilton muito próximo de Schumacher: 28% de aproveitamento contra 29%, respectivamente. Vettel tem 24%.

Pole Positions
É muito provável que até o final de 2017, Hamilton já lidere esta estatística. E isso diz muito sobre seu estilo faca nos dentes. O inglês é atualmente o terceiro da história com 62 poles. À sua frente estão Ayrton Senna com 65 e Schumacher com 68.

Vettel vem apenas uma posição atrás, porém, longe do trio, com 46. O alemão também sempre mostrou força em classificação, porém, se considerarmos a velocidade que a Red Bull sempre mostrou em seu período de maior força, comprova que o aproveitamento do rival da Mercedes realmente é impressionante. Ainda mais por ele ter enfrentado um adversário, Nico Rosberg, bem mais forte que o alemão, Mark Webber.

Leia mais:
Só Clark e Ascari sabiam liderar um GP de F1 tão bem quanto Vettel

Hat Tricks (pole position, vitória e volta mais rápida na mesma prova)

Hamilton é o terceiro colocado nesta estatística com 10 hat tricks, um a menos que Jim Clark, porém, longe do líder, Michael Schumacher, 22. Vettel vem em sexto, com oito.

O que a briga significa para a F1

Ok, acho que já entendemos que em termos estatísticos estes dois pilotos são enormes. Mas por que o embate deles em 2017 será tão importante?

O conjunto Vettel e Red Bull foi quase imbatível por quatro anos
O conjunto Vettel e Red Bull foi quase imbatível por quatro anos

Primeiro, por que, apesar de até terem sido candidatos aos títulos de 2010 e 2012 ao mesmo tempo, a briga nunca foi tão direta. Por isso, essa seria a primeira vez que teríamos realmente um campeonato “Hamilton x Vettel”.

Segundo, pelo estágio em que ambos chegaram em suas carreiras. Eles estão no auge técnico e mental ou próximo disso. O piloto da Mercedes tem 189 corridas nas corridas enquanto o da Ferrari leva em seu currículo 179 largadas. Ambos já tiveram grandes vitórias e também derrotas. Protagonizaram corridas incríveis e também cometeram erros infantis. Trocaram de equipe e souberam passar por um período de adaptação. E mesmo assim, ainda são jovens. Hamilton tem 32 anos e Vettel 29. Possuem fôlego de sobra para um combate do mais alto nível.

E convenhamos, depois do histórico “Senna x Prost”, não tivemos algum outro embate deste nível. Talvez, o que passamos mais perto foi de “Alonso x Schumacher” em 2006, mas com os dois em momentos muito diferentes de suas carreiras. O espanhol explodindo e o alemão se aposentando. As brigas entre Alonso e Vettel também foram incríveis, mas nunca chegaram a ser algo tão direto na pista.

Com a Mercedes e Ferrari se destacando dos demais, temos tudo para vermos Hamilton e Vettel andando próximos, como aconteceu no primeiro trecho do GP da Austrália. Um pressionando o outro, mesmo que na F1 atual seja muito difícil ultrapassar.

É bom lembrarmos esse tipo de dificuldade já foi comum em outros tempos da categoria e um pouco amenizado pela adoção da asa móvel nos últimos anos. Por isso, deveremos ver uma disputa ao estilo antigo. E quem não acredita que esses dois podem fazer um belo show? Só esperamos que Mercedes e Ferrari realmente se mantenham equilibradas minimamente para podermos ver essa briga durante todo o ano.

 

Debate Motor #63: Qual era da F1 teve os carros mais belos?

 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.

  • Dox

    Vai ser um grande confronto, mas infelizmente não deve ser em briga direta de pista, mas ponto a ponto no campeonato ou pela pole.
    Torço para o Bottas e as RBR fazerem parte dessa disputa, para dar mais emoção.
    Com carros iguais eu vou de Vettel, que para mim é quem vi surgir de mais completo nos últimos tempos, talvez na história.

  • Renato Rafa Souza

    Pra mim o Vettel não é um piloto top, como é o Hamilton..Vettel levou pau do Ricciardo na Red Bull, teve muita dificuldade contra o Raikkonen em 2015 e 2016. As boas atuações do Vettel na Toro Rosso se deve ao ótimo motor Ferrari, tão potente quanto o BMW e o Mercedes, além do chassis da Toro Rosso ser exatamente igual ao da Red Bull que usava um Renault (muito fraco em potência), naquela época dava para usar chassis de outras equipes. O Vetel é um piloto que teve sorte, escolheu o carro certo, o companheiro certo, no momento certo, as mudanças de giro do motor em 2009 ajudaram a melhorar o fraco motor Renault. Diferente do Alonso que é um piloto azarado, pega sempre a equipe errada, mas respeito o Alonso por ter fulminado o Raikkonen na Ferrari e ter andado junto com o Hamilton na McLaren. Pilotos tops na F1 hoje? Hamilton, Alonso e Ricciardo. Se a Ferrari 2017 tivesse o Alonso ou o Ricciardo teria colocado 1/2 volta em cima do Hamiton. Vettel é um enganador, e se for campeão em 2017 ele vai abandonar a F1, pois ele apanha dos 2 pilotos da Red, apanha do Hamilton na McLaren e do Alonso na McLaren.

    • Eric Bernardes

      Você distorce bem as coisas, vettel teve dificuldades com raikkonen em 2015 e 2016? Pelo amor de Deus, em 2015 vettel fez mais de 100 pontos á mais que raikkonen com três vitórias contra nenhuma do raikkonen, inclusive a diferença de 2015 do vettel pro raikoonen foi semelhante ao do alonso contra raikkonen em 2014. Em 2016 vettel mesmo com mais problemas mecânicos e com estratégias erradas terminou á frente, inclusive com vitórias quase certas como austrália e canadá, arruinadas por estratégias ruins, então não houve nenhuma dificuldade contra raikkonen. Apanhar dos dois pilotos da red bull aonde cara? Realmente perdeu pro ricciardo, mas foi a única vez que vettel perdeu para um companheiro de equipe, alonso perdeu pro button em 2015 e hamilton pro mesmo button em 2011 e pro rosberg em 2016, então falar que vettel perdeu pro ricciardo é verdade mas não é uma coisa absoluta, porque ninguém vence sempre, o ricciardo mesmo perdeu pro kyviat em 2015, e só por isso ele é pior que o russo? Lógico que não. Então o que quero dizer é que uma derrota não é absoluta, á vezes você vence mas é impossível vencer sempre, todos os pilotos já perderam alguma vez pros companheiros de equipe e isso não faz com que eles sejam piores ou ruins, condenar uma carreira vitoriosa do vettel por um ano ruim e resumir o vettel á isso é ridículo, é muito fácil desmoralizar uma pessoa pegando somente seus momentos ruins, o que faz a diferença é se você teve mais momentos bons do que ruins, e esse com certeza é o caso de vettel e hamilton.

      • Luigi G. Peceguini

        Cheguei meio atrasado na conversa, mas concordo totalmente com você, Eric. Dizer que o Vettel não é um piloto de ponta porque perdeu pro Ricciardo em 2014 é a mesma coisa que falar que Messi não é um bom jogador só porque Cristiano Ronaldo ganhou a Bola de Ouro em 2014 e 2016.

    • Pedro Nuned

      Não só o Alonso, mas também o Massa costuma escolher as equipes erradas…olha o Nico era subestimado até começar a andar junto com o Xumi..na Mercedes…todo mundo dizia que o Nico seria derrotado facilmente pelo Hamilton e deu trabalho para ele. O próprio Bottas todo mundo dizia que ele seria fulminado pelo Hamilton, o sir Anthony pai do Hamiloton chegou a prever em entrevista para a SKY o fim da carreira do Bottas…e não está acontecendo isto.Quanto ao Vettel é quase certo que esta mudança do regulamento de 2017 fez ele melhorar muito a sua pilotagem…hoje ele esta andando mais do que o Raikkonen coisa que não aconteceu em 2016.

  • Diogo Rengel Santos

    Este duelo que está se desenhando me fez lembrar de um outro duelo entre Ferrari x “Mercedes” (McLaren) que foi bem forte

    https://c1.staticflickr.com/1/216/451948617_5235e03f69_b.jpg

  • Andre Luis Coli

    Torci pra essa briga ocorrer já no ano passado, mas o carro da Ferrari não correspondeu às minhas expectativas. Quem sabe o Raikkonen e o Bottas não atrapalham um pouco?

  • Douglas Pacheco

    Essas estatísticas poderiam se transformar em percentagens.

    Quantos % de poles tem o Senna e o Schumacher? E Hamilton?

    E nos hattricks, quantos % cada?

    Isso seria interessante.