Quando a F1 celebrava Natal e Réveillon nas pistas da África do Sul

1

Dezembro e janeiro são meses de pura abstinência para os fãs da F1, certo? Bem, nem sempre foi assim. Por um período durante os anos 60, a categoria chegou ir para a pista em corridas oficiais, válidas pelo campeonato, na época do Natal e do ano novo na África do Sul.

Fique ligado em nossas redes sociais: 
Twitter – @projetomotor
Facebook – Projeto Motor
Youtube – Projeto Motor

Isso aconteceu entre 1962 e 68, inclusive com decisão de título. A temporada sul-africana de automobilismo normalmente já acontecia nesta época do ano, justamente por causa do tempo, aproveitando o verão do hemisfério sul. Na parte norte do planeta, na Europa, muitas das principais pistas ficavam sob neve ou em lugares de muito frio, dificultando a realização de provas.

Pareceu então natural que os pilotos da F1, alguns até já acostumados a competirem em GPs na região durante estes meses, pudessem desembarcar no sul do continente africano para uma etapa que valesse pontos para a competição.

Sendo assim, a primeira edição do GP da África do Sul dentro do campeonato de F1 aconteceu em 29 de dezembro de 1962, quase três meses depois da etapa anterior, nos EUA. Segundo relatos, cerca de 90 mil pessoas lotaram o circuito Prince George, em East London, para assistirem à decisão de título entre Jim Clark e Graham Hill.

O mês de dezembro já vinha sendo agitado, com duas corridas no país, que não valiam pontos. Clark venceu o Rand Grand Prix, realizado em Kyalami, enquanto seu companheiro de Lotus Trevor Taylor levou o GP do Natal, que aconteceu no circuito de Westmead. Esta segunda marcada pelo acidente fatal de Gary Hocking, um ex-piloto de motovelocidade que tinha trocado as duas pelas quatro rodas no começo daquele ano.

Devidamente situados na África do Sul, os pilotos da F1 partiram para East London para a etapa que decidiria o campeonato. Hill chegou à etapa em vantagem no na classificação, porém, caso Clark vencesse a prova, ficaria com o título.

Graham Hill e Jim Clark decidiram o título de 1962 no GP da África do Sul
Graham Hill e Jim Clark decidiram o título de 1962 no GP da África do Sul

E o escocês fez tudo certo. Largou na pole e dominou a corrida até a 62ª das 82 voltas, quando sua Lotus começou a perder rendimento e a soltar fumaça. Ele parou nos boxes com vazamento de óleo, deixando o caminho livre para Hill conquistar a vitória e o campeonato com sua BRM.

Em 63, novamente East London recebeu o encerramento do campeonato na África do Sul nos últimos dias do ano, em 28 de dezembro. Desta vez, porém, o título já estava decidido em favor em Clark. Mesmo assim, o escocês venceu a corrida, mais uma vez largando da pole. O resultado, de qualquer forma, serviu para o piloto da Lotus bater o recorde de vitórias em uma mesma temporada, com incríveis sete conquistas em 10 provas.

Agora, se você está achando curioso ter corrida de F1 nos últimos dias do ano, imagine acordar no dia 1ª de janeiro, após os festejos do réveillon, e assistir a uma corrida. Foi o que aconteceu em 65. Ao invés de fechar a temporada de 64, o GP da África do Sul foi empurrado para literalmente abrir o ano e a temporada.

Sem tempo para desenvolvimento e testes, a categoria desembarcou no país ainda com seus carros de 64. E mais uma vez, Clark deu seu show em East London, cravando a pole position e conquistando a vitória, dando início ao que seria a temporada mais brilhante de sua carreira.

Pilotos da F1 participaram do GP da África do Sul de 1967, mas a prova não fez parte do calendário oficial
Pilotos da F1 participaram do GP da África do Sul de 1967, mas a prova não fez parte do calendário oficial

No ano seguinte, o GP da África do Sul mais uma vez aconteceu em 1º de janeiro, sendo vencido por Jack Brabham, porém, não contou pontos para o campeonato. A prova retornou ao calendário oficial em 67 em uma nova casa: o rápido e belo circuito de Kyalami. E por mais duas temporadas, a prova abriu a temporada ainda sob os ecos dos gritos de ano novo, sendo realizada, respectivamente, nos dias 2 e 1ª de janeiro.

LEIA MAIS:
Revelação de Alan Jones prova: F1 sempre lidou com política do jeito errado

Em 1969, a etapa sul-africana como abertura da F1, porém, foi empurrada para o final de março. Assim, a corrida passou a contar já com novos carros e equipes com suas combinações atualizadas de pilotos.

A categoria, no entanto, voltou a ter corridas no mês de janeiro na década de 70, com os GPs da Argentina e o do Brasil. A maioria deles foi realizada na segunda metade do mês, porém, a prova de Buenos Aires chegou a acontecer em 9 de janeiro em 77.

A última vez que o campeonato começou tão cedo foi em 82, novamente na África do Sul, com o GP de abertura da época sendo realizado em 23 de janeiro. A etapa ficou marcada, no entanto, pela famosa greve de pilotos que aconteceu durante a semana da corrida.

 

Papo Motor #10: Pietro e Enzo Fittipaldi:

 Comunicar Erro

Lucas Santochi

Mais um fanático da gangue que criou vínculo com automobilismo desde a infância. Acampou diversas vezes nas calçadas ao redor de Interlagos para assistir aos GPs e nunca esqueceu a primeira vez que, ainda do lado de fora do autódromo, ouviu o barulho de F1 acelerando pela reta. Jornalista formado em 2004, passou por redações na época da TV Band e Abril, teve experiência na área de assessoria de comunicação esportiva até chegar ao site especializado em esporte a motor Tazio, em 2010. Passou pelas funções de redator, repórter (cobrindo diversas corridas no Brasil e exterior de F1, Indy, WEC, Stock Car, entre outras) e subeditor até o final de 2013, quando o veículo encerrou suas atividades. Trabalhou ainda como redator do UOL Esporte em 2014 até que decidiu se juntar com os outros três membros do Projeto Motor para investir na iniciativa.

  • Gab

    Soa engraçado ver corridas no fim do ano. Quando se devia descansar. Nos dias de hoje poderia haver umas provas amistosas valendo como pre temporada