Se a Ferrari pensa em um substituto para Kimi, Bottas é a pessoa certa

2

Oito corridas se passaram na temporada de 2015 da F1 e a situação de Kimi Raikkonen dentro da Ferrari fica cada vez mais delicada. Desde o ano passado, quando retornou a Maranello, o campeão de 2007 vem acumulando atuações irregulares, com diversos erros e infortúnios, além de um déficit de desempenho incômodo para Fernando Alonso e Sebastian Vettel.

A Ferrari, que pode exercer a opção de renovar automaticamente com seu último campeão mundial para 2016, considera ser cedo para tomar qualquer tipo de decisão; já Raikkonen alterna momentos de tranquilidade com incertezas, como quando discutiu com um jornalista italiano durante o GP da Áustria, irritado com especulações sobre o seu futuro.

Raikkonen não vem tendo a temporada dos sonhos (Divulgação)
Raikkonen não vem tendo a temporada dos sonhos (Divulgação)

As primeiras informações da imprensa europeia indicam que a escolha dos italianos para substituir o “Homem de Gelo” seria Valtteri Bottas. Segundo o jornal alemão “Bild”, a Ferrari já fez uma proposta financeira para a Williams a fim de garantir o passe do piloto em 2016. E, caso as intenções se mostrem verdadeiras e Bottas passe a vestir vermelho, seria uma “bola dentro” por parte da Ferrari.

O jovem finlandês vem mostrando atributos promissores na pista desde que se tornou titular da Williams, principalmente a partir de 2014, quando a equipe apresentava mais condições de lutar por posições de destaque. Bottas possui velocidade satisfatória, é consistente o suficiente e comete poucos erros – fatores em que Raikkonen vem pecando.

LEIA TAMBÉM: Estrelas há 10 anos, Raikkonen e Alonso entram em decadência perigosa

Entre 2014 e 2015, Bottas somente recebeu a bandeirada fora da zona de pontuação por duas vezes (Cingapura-2014 e Mônaco-2015)

Mas seria Bottas exatamente o que a Ferrari precisa? O discurso dos novos comandantes da Scuderia insiste que a antiga filosofia de ter claramente um piloto número um e um número dois já ficou de fato para trás, o que deixa os atuais competidores com igualdade de condições para competirem entre si.

Porém, preferências pessoais à parte, pensemos com a cabeça de uma equipe movida a vitórias e resultados. Não faltam exemplos do passado que mostram que um time que conta com “dois galos dentro de um mesmo galinheiro”, como já definiu Luca di Montezemolo, possui maior propensão para haver desentendimentos internos.

Bottas obteve um pódio em 2015, no Canadá (Glenn Dunbar/LAT)
Bottas obteve um pódio em 2015, no Canadá (Glenn Dunbar/LAT)

A Ferrari já dispõe de um piloto referência em Sebastian Vettel, contratado justamente para liderar a Scuderia em busca de resultados de destaque. Com base no competente retrospecto que apresentou na Williams, Bottas seria a figura ideal para ser uma pedra no sapato do alemão e garantir todos os pontos necessários para que a Ferrari se sobressaia no Mundial de Construtores.

LEIA TAMBÉM: Vettel entendeu a essência da Ferrari como Alonso jamais conseguiu

Mesmo que, em tese, Bottas possa ser inicialmente ofuscado por Vettel, o finlandês possui o potencial e velocidade para superar o provável futuro companheiro caso o alemão volte a viver má fase, como aconteceu no ano passado. Em 2014, Vettel penou para se adaptar ao carro da Red Bull, e coube ao competente Daniel Ricciardo segurar as pontas e conduzir o time aos seus melhores resultados.

Além disso, Bottas, de 25 anos, é jovem o suficiente para uma relação de longo prazo com a Ferrari – a Scuderia, que passou por tantas transições nos últimos anos, incluindo troca de pilotos, chefe de equipe e até do presidente, precisa entrar em fase de estabilidade para dar o último passo que falta rumo ao topo.

Mas e Hulkenberg?

Com a possibilidade da dispensa de Kimi Raikkonen para o ano que vem, o que significaria uma rara e cobiçada vaga em aberto na Ferrari, seria impossível não mencionar o nome de Nico Hulkenberg. Conforme já foi mencionado pelo Projeto Motor em artigos anteriores, o alemão mostra serviço há anos e já fez por merecer uma oportunidade em uma equipe de ponta.

LEIA TAMBÉM: Hulkenberg é o 24º titular da F1 a triunfar em Le Mans

Em um passado recente, Hulkenberg esteve em conversas avançadas com a Ferrari para substituir Felipe Massa, mas, curiosamente, acabou sendo preterido pelo próprio Raikkonen. Se capacidade não falta ao vencedor das 24 Horas de Le Mans, um outro item pode atrapalhá-lo em uma negociação: a nacionalidade.

Hulkenberg novamente pode ficar sem a sonhada vaga (Divulgação)
Hulkenberg novamente pode ficar sem a sonhada vaga (Divulgação)

Afinal, a possível chegada de Hulkenberg à Ferrari significaria a presença de dois alemães na equipe, o que não é muito bem visto hoje em dia por questões comerciais (excetuando casos óbvios, como os alemães Nico Rosberg e Michael Schumacher correndo na alemã Mercedes, ou os ingleses Jenson Button e Lewis Hamilton pela inglesa McLaren).

Juntando todos os fatores que compõem a equação de uma negociação na F1, Bottas larga na frente pelo cockpit da Ferrari. Entretanto, assim como acontece nas pistas, os italianos podem sofrer com a concorrência da Mercedes na disputa pelo passe do piloto. O finlandês é sabidamente cobiçado pela equipe alemã para o futuro, até porque Toto Wolff, mandatário das Flechas de Prata, teve papel importante no desenvolvimento da carreira de Bottas. É bom que a Ferrari esteja com os olhos bem abertos.

E você, quem acha que seria o piloto ideal para correr ao lado de Vettel em 2016? Deixe sua opinião!

Debate Motor #3: equipe do Projeto Motor analisa o GP da Áustria:

 Comunicar Erro

Bruno Ferreira

Sempre gostou de automobilismo e assiste às corridas desde que era criança. A paixão atingiu outro patamar quando viu – e ouviu – um carro de F1 ao vivo pela primeira vez. Depois disso, o gosto pelas corridas acabou se transformando em profissão. Iniciou sua trajetória como jornalista especializado em automobilismo em 2010, no mesmo ano em que se formou, quando publicou seu primeiro texto no site Tazio. De lá para cá, cobriu GPs de F1 no Brasil e no exterior, incluindo duas decisões de título (2011 e 2012), além de provas de categorias como Indy, WEC, WTCC e Stock Car.

  • Guilherme Rezende

    Acho que o Bottas deve ir para a Ferrari,Mercedes deve manter sua dupla,se for para alguém sair será o Rosberg,se ele sair,pode entrar Hulkenberg ou Bottas(ai haveria um confronto com a Ferrari)Mclaren deve abrir uma vaga com a aposentadoria de Button,Magnussen e Vandoorne devem brigar por essa vaga e na Williams,Bottas deve sair e diria que Hulkenberg e Nasr brigam por essa vaga.

  • Gustavo Segamarchi

    Gente, resumindo o Post, vai ficar assim:

    O Bottas vai para o lugar do Raikkonen, na Ferrari e o Hulkenberg vai para a Williams, no lugar do Bottas e o Ricciardo vai ficar na Red Bull, mesmo!